Boca Rosa diz que pode faturar R$ 1 bilhão até 2030 com marca própria; será?

Influenciadora Boca Rosa quer chegar a faturamento de R$ 1 bilhão com rebranding da Boca Rosa Beauty

A influenciadora e empresária Bianca Andrade, conhecida como Boca Rosa, tornou-se dona de sua própria marca de beleza e planeja fazer um rebranding de sua marca de maquiagem no varejo. Boca Rosa, nascida no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro (RJ), diz que quer atingir faturamento de R$ 1 bilhão até 2030 por meio da marca própria após a cisão de contrato com a francesa Payot.

A informação foi dada em palestra da influenciadora no Web Summit Rio. O evento ocorreu em abril, mas a discussão voltou à tona após entrevista de Bianca Andrade com a youtuber Blogueirinha.

Especialistas explicam que, enquanto Boca Rosa pretende relançar sua marca em breve, existem desafios no mercado de luxo envolvendo a produção de maquiagens. Com o rebranding, a influenciadora aposta em atender um público diferente. O desafio é a concorrência.

Quem é Boca Rosa e porque ela está fazendo um ‘rebranding’

Bianca Andrade nunca foi pouco ambiciosa em seus planos de ter uma marca própria de beleza. Em 2018, tomou um caminho inédito para blogueiras de maquiagem quando decidiu colaborar com a Payot para a criação da Boca Rosa Beauty.

Segundo especialistas, o plano de Boca Rosa para atingir o faturamento de R$ 1 bilhão até 2030 passa por seu rebranding. Com a cisão com a francesa Payot, com quem dividia receitas da Boca Rosa Beauty, a influenciadora decidiu relançar a marca e, por enquanto, está apostando mais na praticidade de produtos típicos como base e pó de maquiagem.

No dia 25 de julho, Boca Rosa deve lançar o rebranding do site e da nova marca própria de maquiagens.

Além de criar a marca com a Payot, Boca Rosa usa estratégias de colab com empresas como a L’Occitane Brasil. É a análise de João Finamor, professor de marketing da ESPM.

“Toda vez em que está prestes a lançar algum produto, ela puxa um assunto polarizado nas redes”, diz o especialista. “A partir disso, ela consegue engajar o lover e trabalha a internet a favor dela”, afirma. Lovers são os fãs mais assíduos de Bianca, explica Finamor.

Rebranding da Boca Rosa para chegar ao bilhão

Como inspiração, Boca Rosa se apoia em outras celebridades bem-sucedidas no mercado de beleza e cuidado. Por exemplo, a cantora Rihanna, que lançou cinquenta tons de base para sua marca, Fenty Beauty.

Mais recentemente, a influenciadora brasileira lançou sua própria linha de cinquenta tons de base, recorde de tipos de produto por uma marca nacional.

Para a professora de pós-graduação de marketing de luxo da ESPM e consultora Patrícia Diniz, a meta de faturamento de R$ 1 bilhão da Boca Rosa “é ambiciosa, mas não impossível considerando o crescimento do mercado de beleza”.

A consultoria McKinsey afirma que o mercado de beleza, de produtos para pele, fragrâncias, maquiagem e cosméticos, gerou US$ 430 milhões em receita no mundo em 2023. No Brasil, segundo o Euromarket, o mercado de cosméticos coloridos, o que inclui maquiagem, deve chegar a R$ 11 bilhões em vendas.

O lançamento de cinquenta tons de base, de acordo com Patrícia, é mais arriscado porque a influenciadora pode enfrentar desafios na revenda para varejistas.

“Quando você tem um mix muito grande de tons de base, você tem dificuldade do comerciante comprar, porque ele sabe que parte vai ficar parada na prateleira”, diz Patrícia. “E bases vencem em média em dois anos. Com cinquenta bases, tem que ter cinquenta provadores. O que eu escuto de marcas brasileiras e marcas internacionais é que é muito complicado gerir o estoque”, completa.

Base sticker e pó compacto

A estratégia por trás do rebranding da Boca Rosa é oferecer mais produtos sóbrios, com linhas mais práticas para o dia a dia da mulher brasileira.

Antes, as embalagens da Boca Rosa Beauty eram rosas. Bianca inverteu o conceito, adotando cores mais neutras nos recipientes.

Finamor elenca dois produtos como essenciais no rebrading, que já foram divulgados por Bianca: o pó compacto e a base em sticker. O primeiro marca, inclusive, a tentativa da Boca Rosa em alcançar um público “mais velho”.

“O pó compacto aproxima a marca de mães, avós e adultos pela familiaridade. Hoje quem consome Boca Rosa é o jovem adulto”, diz o professor da ESPM.

Desafio de Boca Rosa é enfrentar concorrência pesada

Especialistas citam dois entre os principais desafios a serem enfrentados por Boca Rosa no caminho ao bilhão, mesmo com o rebranding.

O primeiro, conforme Finamor, é a inovação na indústria de cosméticos. O principal exportador de produtos de skincare e maquiagens, a Coreia do Sul, vive aplicando novas tecnologias a produtos, enquanto a participação da China nesse setor subiu.

Marcas como Yve Saint Laurent e Giorgio Armani estão investindo em inovação.

“A Saint Laurent fez um batom produzido sob medida para consumidores em seu site. O cliente escolhe a cor e pode, por exemplo, pedir um batom parecido com o da Kylie Jenner”, comenta. “Estamos vendo grandes marcas, como a Giorgio Armani, investirem em mais produtos multiuso.”

Patrícia Diniz cita como principal desafio a concorrência tanto de empresas nacionais quanto internacionais.

“Ela compete com marcas nacionais de qualidade e internacionais. E a Boca Rosa tem que trabalhar muito bem a questão de canais digitais e revendedores como C&A, Renner, Sephora”, afirma.

Leia a seguir

Leia a seguir