Apple e Meta discutem parceria no campo da Inteligência Artificial

As discussões entre Apple e Meta destacam as alianças improváveis ​​que estão a ser formadas entre grandes empresas tecnológicas na era da inteligência artificial

Em sua luta para acompanhar um mercado de rápido desenvolvimento no campo da inteligência artificial (IA), a Apple pode estar recorrendo a um rival de longa data: a Meta. A controladora do Facebook manteve discussões com a Apple sobre a integração do modelo generativo de IA da Meta Platforms no Apple Intelligence, o sistema de IA recentemente anunciado para iPhones e outros dispositivos, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

A Meta e outras empresas que desenvolvem IA generativa esperam tirar vantagem da distribuição massiva da Apple através de seus iPhones – semelhante ao que a Apple oferece com sua App Store no iPhone.

Recém-chegada à IA generativa, a Apple desenvolveu seus próprios modelos menores de inteligência artificial, mas anunciou que recorrerá a parceiros para tarefas mais complexas ou específicas. Quando a Apple Intelligence foi revelada no início deste mês na Worldwide Developers Conference da empresa, o ChatGPT da OpenAI foi anunciado como o primeiro parceiro da empresa.

“Queríamos começar com o melhor”, disse Craig Federighi, líder de software da Apple, observando que o ChatGPT “representa a melhor escolha para nossos usuários hoje”. Ele também disse que a Apple também queria integrar o Gemini do Google.

Além do Google e da Meta, as startups de IA Anthropic e Perplexity também estão em discussões com a Apple para trazer sua IA generativa para a Apple Intelligence, disseram pessoas familiarizadas com as negociações.

Se a Apple fechar acordos com parceiros além da OpenAI, a Apple disse que os clientes poderão escolher quais modelos externos de IA desejam usar, além dos sistemas internos da Apple.

As discussões com a Meta destacam as alianças improváveis ​​que estão a ser formadas entre grandes empresas tecnológicas na era da inteligência artificial. A tecnologia da OpenAI será incorporada em dispositivos Microsoft e Apple. E um acordo entre Apple e Meta seria digno de nota, dado o quanto as duas empresas estão em desacordo sobre outras questões tecnológicas emergentes.

Nas negociações com outras empresas de IA, a Apple não procurou que nenhuma das partes pagasse à outra, disseram as pessoas. Em vez disso, as empresas de IA podem vender assinaturas premium dos seus serviços através da Apple Intelligence. Assim como faz em sua loja de aplicativos, a fabricante do iPhone manteria uma parte da receita de assinaturas de seus dispositivos.

As discussões não foram finalizadas e podem fracassar. Embora os acordos com a Apple ajudassem as empresas de IA a obter uma distribuição massiva dos seus produtos, não está claro até que ponto isso representaria um ganho financeiro inesperado.

A OpenAI oferecerá uma versão gratuita do ChatGPT por meio do Apple Intelligence, mas os usuários também poderão vincular uma conta ChatGPT premium ao seu dispositivo Apple.

Embora se espere que o uso do ChatGPT dobre com a parceria da Apple, os custos de infraestrutura da OpenAI deverão crescer de 30% a 40%, disse Gene Munster, analista de longa data da Apple e sócio-gerente da Deepwater Asset Management. Munster espera que 10% a 20% dos usuários da Apple optem por pagar por uma assinatura premium de IA para um produto como o ChatGPT. Isso poderia significar bilhões de dólares para empresas de IA que se integrassem com sucesso à nova plataforma da Apple.

“É difícil conseguir distribuição”, disse Munster. “A beleza do que a Apple construiu é que você tem essa distribuição engajada em grande escala.”

Leia a seguir

Leia a seguir

Uma parceria com a Meta ajudaria a elevar a estatura dos seus esforços na corrida à IA da indústria tecnológica e representa um raro sinal de paz entre a gigante das redes sociais e a fabricante do iPhone. A Meta lançou o Llama 2, seu grande modelo de linguagem, em julho de 2023, e em abril, a empresa lançou as versões mais recentes de seus modelos de IA, chamados Llama 3. Embora o Llama tenha ganhado suporte e adoção na indústria de tecnologia e entre startups, um acordo com a Apple representaria uma grande vitória para o presidente-executivo Mark Zuckerberg e para a divisão de IA de sua empresa.

As tensões entre as duas empresas persistem há mais de uma década. Mais notavelmente, a Apple introduziu em 2021 mudanças de privacidade em seus dispositivos móveis que a Meta disse mais tarde que lhe custariam US$ 10 bilhões em receitas perdidas em 2022. Em abril, a Meta publicou instruções incentivando os anunciantes a usar uma solução alternativa para evitar o pagamento de uma taxa de serviço de 30% à Apple para “postagens impulsionadas”, uma forma de publicidade pela qual as duas empresas discutiram durante anos, informou o Wall Street Journal.

Ao manter discussões com uma série de empresas de IA, a Apple consegue evitar tornar-se excessivamente dependente da OpenAI. Mas resta saber até que ponto a Apple disponibilizará a sua nova plataforma de IA a estas empresas externas de IA. Esses acordos de IA levam tempo porque, por enquanto, precisam ser fechados por empresa, ao contrário da App Store, onde existe um processo estabelecido no qual os desenvolvedores podem enviar seus aplicativos com mais liberdade para aprovação da Apple antes de aparecerem em sua loja digital.

Federighi, da Apple, disse que faz sentido para a empresa oferecer inúmeras opções de IA porque os usuários vão buscar modelos diferentes para tarefas diferentes, como escrita criativa ou pesquisa de informações médicas. “As pessoas vão querer aproveitar esse tipo de conhecimento que pode não fazer parte do nosso núcleo”, disse ele na conferência de desenvolvedores no início deste mês.

A News Corp, proprietária do The Wall Street Journal e da Dow Jones Newswires, tem uma parceria de licenciamento de conteúdo com a OpenAI.

Com informações do Valor Econômico