IF Hoje: Dados para a inflação de abril, agenda política com a volta de Lula e PIB da China ditam ritmo dos mercados

Após a viagem de Lula, a China permanece protagonista do noticiário econômico local, com a divulgação do PIB do primeiro trimestre de 2023

O investidor começa a semana de olho nos dados para a inflação de abril, na agenda política com a volta de Lula e no PIB da China. São eventos que podem determinar o humor da semana.

Nesta segunda, serão retomadas as discussões sobre o Arcabouço Fiscal e, diante do retorno de Lula, novos debates sobre a taxação de varejistas estrangeiras, relações com o Congresso e a repercussão sobre o superbloco de parlamentares formado em torno de Arthur Lira.

O investidor vem de uma semana de ganhos. O otimismo dos mercados se deveu aos dados de inflação abaixo das expectativa no Brasil e nos Estados Unidos, aumentando os rumores de redução no aperto monetário nos dois países.

No acumulado do período, o Ibovespa avançou 5,42%, para 106,3 mil pontos, enquanto o dólar recuou 2,81%, fechando em 4,91.

Lula chegou de viagem e vai assinar o texto do novo Arcabouço Fiscal para ser enviado ao Congresso. A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) foi entregue na última sexta (14). A LDO é responsável por apresentar as previsões referentes ao Orçamento em 2024.

O Projeto da LDO apresentado prevê zerar o déficit público e projeta que o salário mínimo no ano que vem será de R$ 1.389, valor que representa uma alta de 6,7% em relação ao atual, de R$ 1.302.

Agenda do dia

No Brasil, pela manhã o Banco Central divulgou o relatório Focus, com a média das projeções do mercado para PIB, IPCA, desemprego e valor do dólar ao fim de 2023, 2024 e 2025.

Entre os principais destaques, a projeção para o IPCA no fim de 2023 subiu de 5,98% para 6,01%. Mesmo assim, os especialistas das instituições financeiras passaram a ver a possibilidade de corte maior da Selic, de 12,75% para 12,50%.

Além do Focus, o BC também vai o IBC-BR de janeiro, conhecido como “prévia do PIB”, que apesar utilizar outra metodologia, calcula a movimentação financeira do país no período.

Por fim, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou, às 9h, o IGP-10 (Índice Geral de Preços – 10) de abril, com os dados de inflação dos 10 primeiros dias do mês. O IGP-10 caiu 0,58% em abril. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,05%.

Com esse resultado, o índice acumula variação de -0,46% no ano e de -1,90% em 12 meses. Em abril de 2022, o índice subira 2,48% no mês e acumulava elevação de 15,65% em 12 meses.

China divulga o Produto Interno Bruto (PIB) referente ao 1º trimestre e ao acumulado de 12 meses.

Itália reporta inflação ao consumidor (IPC) referente ao mês de março e o anual.

Indonésia divulga sua balança comercial.

Mercado na semana passada

Foi uma semana bastante positiva para os mercados brasileiros.

O otimismo dos investidores se deveu aos dados de inflação abaixo das expectativa no Brasil e nos Estados Unidos, aumentando os rumores de redução no aperto monetário nos dois países.

No acumulado do período, o Ibovespa avançou 5,42%, para 106,3 mil pontos, enquanto o dólar recuou 2,81%, fechando em 4,91.

Leia a seguir

Leia a seguir