Zona do euro: inflação desacelera acima do esperado na leitura preliminar de março

Taxa anual ficou em 7,1%, marca mais baixa desde fevereiro de 2022

A inflação da zona do euro desacelerou para o menor nível em 13 meses em março, mas as pressões de preços subjacentes se intensificaram, destacando o dilema do Banco Central Europeu (BCE) sobre o ritmo e o tamanho de novos aumentos nas taxas de juros.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), que mede o que os consumidores pagam por bens e serviços, aumentou 6,9% em março na comparação anual, recuando de um aumento de 8,5% em fevereiro, mostraram dados preliminares da agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, nesta sexta-feira. Isso marca a taxa de inflação mais baixa desde fevereiro de 2022.

A leitura está abaixo da previsão de consenso de 7,1% dos economistas em uma pesquisa do “The Wall Street Journal”.

A inflação diminuiu em março devido à queda dos preços da energia, que caíram 0,9% em março na comparação anual, em comparação com um aumento de 13,7% em fevereiro, mostraram os dados. Os preços do gás, eletricidade e combustível para os consumidores da zona do euro subiram em março de 2022 após a invasão da Ucrânia pela Rússia e estão se normalizando.

No entanto, houve poucos sinais de arrefecimento da inflação além das quedas dos preços da energia. Os preços de alimentos, álcool e tabaco subiram 15,4% em março em comparação com o mesmo mês do ano anterior, acelerando ligeiramente em relação ao aumento de 15,0% em fevereiro. A inflação de serviços também acelerou, para 5%, ante 4,8% no mês anterior.

No entanto, os preços dos bens industriais não energéticos subiram 6,6% no ano, diminuindo em relação ao aumento de 6,8% registrado em fevereiro.

O núcleo da inflação – que exclui as categorias mais voláteis de alimentos e energia – aumentou ligeiramente para 5,7% em março, de 5,6% em fevereiro, em linha com as previsões e atingindo um novo recorde. O aumento do núcleo da inflação é uma das principais preocupações dos formuladores de políticas do BCE.

O BCE está equilibrando a contenção da inflação – que está bem acima de sua meta de 2% – e os efeitos das altas taxas de juros na economia, enquanto a turbulência recente no setor bancário parece contida, mas aumenta a incerteza.

Leia a seguir

Leia a seguir