PIB da China cresce 4,5% no primeiro trimestre, acima do esperado

Economia do país se recupera após três anos de isolamento da covid

A economia da China acelerou nos primeiros três meses do ano, apontando para uma recuperação robusta após três anos de rígidas políticas de pandemia que atrasaram a segunda maior economia do mundo.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 4,5% no primeiro trimestre do ano em comparação com igual período do ano anterior, disse o Escritório Nacional de Estatísticas do país nesta terça-feira, quando o fim de três anos de rígidos controles da covid-19 e as políticas de apoio de Pequim ajudaram a reacender o crescimento.

O resultado veio acima da expansão de 4,0% prevista por economistas consultados pelo “The Wall Street Journal” e marcou uma aceleração em relação ao aumento de 2,9%, em bases anuais, nos últimos três meses de 2022 – um dos trimestres mais fracos da China em décadas.

Varejo

As vendas no varejo, um indicador importante do consumo da China e um importante motor de crescimento da recuperação econômica da China, se recuperaram 10,6% em março em relação ao mesmo mês do ano anterior, acima do aumento de 3,5% na comparação anual nos primeiros dois meses do ano.

Economistas entrevistados esperavam que as vendas no varejo aumentassem 7,9% em março em relação ao ano anterior.

Indústria

A produção industrial também se fortaleceu, embora não tanto quanto a economia havia previsto. A produção industrial aumentou 3,9% em março em relação ao ano anterior, acelerando em relação ao aumento de 2,4% no período de janeiro a fevereiro em relação ao ano anterior, embora ficando aquém do ritmo de crescimento esperado de 4,1%.

Investimento

O investimento em ativos fixos da China aumentou 5,1% no primeiro trimestre do ano, expandindo em relação à taxa de crescimento de 5,5% do período de janeiro a fevereiro e abaixo do ritmo de 5,8% previsto pelos economistas.

A principal medida de desemprego da China, a taxa de desemprego urbana pesquisada, caiu para 5,3% em março, de 5,6% em fevereiro.

Vendas de casas

As vendas de casas na China ampliaram sua recuperação em março, quando o apoio político de Pequim deu ao setor em apuros uma tábua de salvação após uma recessão imobiliária de mais de um ano.

Em valor, as vendas de residências aumentaram 7,1% no primeiro trimestre em relação ao mesmo mês do ano anterior, com base no ganho de 3,5% nos primeiros dois meses de 2023, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo Escritório Nacional de Estatísticas da China.

O investimento imobiliário, por sua vez, caiu 5,8% no período de janeiro a março, piorando ligeiramente em relação ao declínio de 5,7% de janeiro a fevereiro, pois os desenvolvedores continuaram a adiar o desenvolvimento de novos projetos.

O início de novas construções por empresas imobiliárias caiu 19,2% nos primeiros três meses do ano, acelerando em relação ao declínio de 9,4% nos primeiros dois meses do ano.

Tráfego aéreo de passageiros

O número de passageiros aéreos no primeiro trimestre saltou 68,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, apontando para uma recuperação constante da economia do país, que ressurgiu de três anos de restrições à covid.

A indústria de aviação civil da China realizou 129 milhões de viagens nos primeiros três meses do ano, recuperando 80% do tráfego registrado no mesmo período de 2019 e expandindo 51% em relação ao último trimestre de 2022, disse o principal regulador de aviação do país em uma conferência de imprensa na terça-feira.

As rotas aéreas domésticas registraram 126 milhões de viagens no primeiro trimestre, um crescimento de 66,6% em relação ao ano anterior e 88,6% do nível de tráfego observado no mesmo trimestre de 2019.

As rotas internacionais registraram 2,24 milhões de viagens nos primeiros três meses, um aumento de oito vezes em relação ao ano anterior, mas apenas 12,4% do nível registrado no primeiro trimestre de 2019.

Antes da pandemia que levou a China a três anos de isolamento autoimposto do resto do mundo, o país tinha o maior mercado mundial de turismo emissor.

Leia a seguir

Leia a seguir