Bill Ackman vê com receio operação para salvar First Republic

Os maiores bancos dos Estados Unidos concordarem em injetar US$ 30 bilhões em depósitos na instituição

As ações dos bancos regionais registravam queda nesta sexta-feira, mesmo depois que os maiores bancos dos Estados Unidos concordarem em injetar US$ 30 bilhões em depósitos no First Republic Bank. O plano de resgate, envolvendo muitos dos maiores bancos da América, incluindo o Bank of America, Citigroup e JP Morgan Chase, inicialmente trouxe algum alívio para as ações dos bancos regionais, mas esse otimismo parece ter sido curto.

As ações da First Republic, que fecharam em alta de 10% na quinta-feira, recuavam 14,33% às 8h40, antes da abertura de sexta-feira, enquanto o PacWest Bancorp (PACW) caia 5,50%.

O First Republic também suspendeu seus dividendos após o expediente, aumentando a pressão sobre as ações. O consórcio de 11 bancos também inclui Wells Fargo, Goldman Sachs, Morgan Stanley, Bank of New York Mellon, PNC Financial Services Group, State Street, Truist Financial e U.S. Bancorp.

A medida reflete sua “confiança no sistema bancário do país”, disseram os bancos em comunicado conjunto. “Os maiores bancos da América estão unidos a todos os bancos para apoiar nossa economia e todos ao nosso redor”, acrescentaram.

Mas o investidor ativista Bill Ackman disse que a intervenção serviu apenas para espalhar o risco de contágio. “O resultado é que o risco de inadimplência do First Republic Bank agora está se espalhando para nossos maiores bancos. Espalhar o risco de contágio financeiro para obter uma falsa sensação de confiança no First Republic é uma má política”, disse ele em um tuíte na quinta-feira.

Executivos do First Republic Bank venderam US$ 12 milhões em ações este ano

Os principais executivos do First Republic Bank venderam milhões de dólares em ações da empresa nos dois meses anteriores à queda das ações do banco durante o pânico sobre a saúde dos bancos regionais dos Estados Unidos.

O diretor de risco do banco vendeu papéis em 6 de março, de acordo com documentos do governo. Dois dias depois, o Silicon Valley Bank (SVB) chocou o mercado e colocou outros bancos em queda livre.

Os executivos vinham vendendo há meses, mostram os documentos. O presidente executivo James Herbert II vendeu US$ 4,5 milhões em ações desde o início do ano. Ao todo, os executivos venderam $ 11,8 milhões em ações até agora este ano a preços médios pouco abaixo de US$ 130 por ação – o papel agora vale menos de US$ 30. Juntos, o diretor de crédito do banco, seu presidente de gestão de fortunas privadas e o diretor executivo venderam US$ 7 milhões em ações.

As negociações dos executivos passaram despercebidas. Ao contrário das vendas privilegiadas na maioria das empresas, as do First Republic não precisam ser informadas à Securities and Exchange Comission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA). Os registros da SEC de vendas privilegiadas são examinados pelos investidores em busca de pistas sobre as perspectivas de uma empresa. Em vez disso, as negociações foram relatadas à Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), a autoridade garantidora do sistema financeiro.

Sehwa Kim, professor de contabilidade da Columbia Business School, estudou o impacto dos registros do FDIC e descobriu que o mercado não reage a eles da mesma forma que reage às divulgações mais prontamente disponíveis registradas na SEC. “Os registros de informações privilegiadas no site do FDIC têm pouca reação no início em comparação com os registros na SEC”, disse Kim sobre sua pesquisa, que também descobriu que os detendores de informação privilegiada (insiders) em bancos que não registraram na SEC eram mais prováveis para se envolver em vendas de ações antes de notícias negativas.

Um porta-voz do First Republic Bank disse que o banco e seus executivos se recusaram a comentar as vendas. Um porta-voz de Herbert, 78, disse que suas vendas eram consistentes com seu planejamento patrimonial anual e filantropia, com mais de um quinto dos lucros doados para caridade.

Leia a seguir

Leia a seguir