Bed Bath & Beyond ‘joga a toalha’ e pede recuperação judicial nos EUA

Concorrentes como Walmart, Target e Amazon têm a ganhar com a crise da varejista

Depois de meses evitando a falência, a Bed Bath & Beyond finalmente jogou a toalha, entrando com pedido do capítulo 11 da lei de falências americana — equivalente à recuperação judicial — no domingo. Para seus concorrentes, como Walmart, Target e Amazon, a disputa começou para conquistar o maior número possível de ex-clientes da Bed Bath.

“Esperamos que certas cadeias possam finalmente capitalizar, de alguma forma com uma mudança de participação de mercado da Bed Bath & Beyond”, escreveu o analista da Oppenheimer, Brian Nagel, em relatório.

A Bed Bath fechou lojas durante a maior parte dos últimos trimestres. No início deste ano, a empresa disse que fecharia mais de 500 lojas para “dimensionar corretamente” sua pegada física, mantendo apenas 360 Bed Bath & Beyond e 120 lojas e sites buybuy Baby em operação.

Essas lojas permanecerão abertas enquanto a empresa entrar em processo de falência, na esperança de que um comprador adquira a rede. Sem um comprador, no entanto, a empresa terá que fechar gradualmente todos os seus locais físicos. “Temos dificuldade em imaginar um comprador se preparando para salvar a rede”, escreveu Nagel.

Isso poderia deixar bilhões de dólares em vendas potenciais em disputa, dizem os especialistas. No ano fiscal de 2021, a Bed Bath registrou US$ 7,8 bilhões em vendas, e analistas projetam que a empresa faturou US$ 5,5 bilhões no ano fiscal de 2022, que terminou no final de fevereiro e ainda não foi divulgado.

Os grandes varejistas podem ser apenas os maiores beneficiários, já que o fechamento da empresa pode inaugurar uma nova era de consolidação no varejo, especialmente no mercado de móveis domésticos, escreveu Curtis Nagle, analista do Bank of America (BofA), em relatório.

“A indústria de móveis domésticos de US$ 200 [bilhões] consolidou-se principalmente para os maiores concorrentes, enquanto independentes e marcas sem fortes capacidades omnichannel perderam participação de mercado”, escreveu ele. À medida que a Bed Bath diminui os negócios, Nagle espera que a receita seja “amplamente distribuída” para as maiores empresas do mercado: Walmart, Target e Amazon.

Edward Yruma, de Piper Sandler, concorda. A Target e o Walmart investiram nos recursos digitais que a Bed Bath demorou a adotar (seus fundadores disseram recentemente ao “The Wall Street Journal” que “perderam o barco na internet”). Ambas as empresas têm fortes ofertas de decoração e móveis, Yruma escreveu em relatório.

Ambas as empresas também podem obter um impulso de sua crescente exposição ao mercado de produtos para bebês, uma vez que o destino da buybuy Baby, a cadeia voltada para bebês da Bed Bath e o ativo mais forte, também é incerto, diz Nagel do BofA. Segundo ele, outros varejistas que podem se beneficiar da participação de mercado da Bed Bath são Wayfair, Overstock e Williams-Sonoma.

A Bed Bath alertou pela primeira vez que poderia recorrer à lei de falências em janeiro e, desde então, implementou várias manobras financeiras para permanecer no negócio. O pedido do capítulo 11 ocorre após seu esforço recente — uma oferta pública de ações destinada a levantar US$ 300 milhões — falhar. As ações caíram 32% para US$ 0,20 após o arquivamento e perderam 92% de seu valor ao longo do ano.

Leia a seguir

Leia a seguir