MPF apura indícios de ‘insider trading’ em venda de ações da Americanas

Insider trading é um crime que decorre do uso de informações privilegiadas para obtenção de lucros ou vantagens no mercado de ações

O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) instaurou nesta sexta-feira (13) um procedimento para apurar indícios de “insider trading” envolvendo a venda de ações da Americanas (AMER3).

Trata-se de uma notícia de fato aberta pela procuradoria da República em São Paulo. Essa fase investigatória antecede a instauração de um inquérito policial.

O insider trading é um crime que decorre do uso de informações privilegiadas para obtenção de lucros ou vantagens no mercado de ações.

Diretores podem ter se beneficiado

Diretores da Americanas teriam vendido mais de R$ 210 milhões em ações da empresa no segundo semestre de 2022, conforme documentos divulgados pela companhia no portal de relacionamento com investidores.

A movimentação se deu pouco depois do anúncio de que a companhia teria um novo presidente, Sérgio Rial, a partir de 2023.

O executivo renunciou nesta semana, com apenas dez dias de cargo, após apontar “inconsistências contábeis” ao redor de R$ 20 bilhões na varejista.

Um dos focos do MPF é saber se sócios majoritários da Americanas tinham algum conhecimento sobre a situação financeira da empresa no momento da venda.

O MPF também solicitará informações à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), entidade que faz a regulação do mercado de capitais.