Lucro da Meta, dona do Facebook, cai 24% no 1º tri, para US$ 5,7 bilhões

O número de usuários diários (DAUs, em inglês) foi de 2,04 bilhões ao fim de março, aumento de 4% em relação ao mesmo período de 2022

A Meta Platforms, dona do Facebook, registrou lucro líquido de US$ 5,7 bilhões no primeiro trimestre deste ano, queda de 24% em relação ao mesmo período de 2022. O resultado ficou acima das estimativas dos analistas consultados pela FactSet, de US$ 5,3 bilhões.

A receita total da empresa de tecnologia chegou a US$ 28,6 bilhões entre janeiro e março, alta de 3% ante o ano anterior. O resultado também superou as expectativas dos analistas consultados pela FactSet, que estimavam receitas de US$ 27,7 bilhões no primeiro trimestre.

O número de usuários diários (DAUs, em inglês) foi de 2,04 bilhões ao fim de março, aumento de 4% em relação ao mesmo período de 2022. Os usuários mensalmente ativos (MAUs) cresceram 2%, chegando a 2,99 bilhões ao fim do trimestre.

“Tivemos um bom trimestre e nossa comunidade continua a crescer”, disse Mark Zuckerberg, fundador e diretor-presidente da Meta. “Nosso trabalho de inteligência artificial (IA) está gerando bons resultados em nossos aplicativos e negócios. Também estamos nos tornando mais eficientes para que possamos criar produtos melhores com mais rapidez e nos colocar em uma posição mais forte para entregar nossa visão de longo prazo.”

Para o segundo trimestre, a dona do Facebook estima receita total de US$ 29,5 bilhões a US$ 32 bilhões. A empresa também elevou a expectativa de despesas em relação ao antecipado em março, e agora a projeção é que fiquem em uma faixa entre US$ 86 bilhões a US$ 90 bilhões no período.

O incremento em relação ao estimado antes inclui custos de reestruturação relacionados a encargos de consolidação de instalações, além de indenizações e outros custos de pessoal.

As ações da Meta subiam 9,12% no pós-mercado da Nasdaq, em Nova York, cotadas a US$ 228,34. No pregão regular, os papéis avançaram 0,89%.

Leia a seguir

Leia a seguir