Dívida da Americanas sobe R$ 1,25 bilhão e lista de credores ganha quase 2 mil novos nomes

O ajuste para cima na dívida com os credores sem garantia real reflete, em parte, alterações nos créditos detidos por grandes bancos contra a Americanas

A lista atualizada de credores da Americanas (AMER3), protocolada na Justiça do Rio de Janeiro na sexta-feira (10), traz um número substancialmente maior de nomes e R$ 1,25 bilhão a mais em dívidas na comparação com a relação inicial, divulgada em janeiro.

Enquanto a lista consolidada protocolada em 24 de janeiro inclui 7.967 credores e um total de R$ 41,23 bilhões em dívidas, a nova versão tem 9.654 nomes e R$ 42,48 bilhões em créditos contra a varejista.

Por volta das 15h30 desta terça-feira (14), as ações caíam 3,53%, a R$ 1,09.

Entre as classes de credores citadas na lista, a maior mudança está na dos quirografários (sem garantia real). Inicialmente a Americanas reportou dívidas de R$ 41,05 bilhões com 6.438 credores quirografários. Já na relação atualizada, os quirografários aparecem com R$ 42,28 bilhões a receber e somam 8.134 nomes. É nessa categoria que estão bancos e outros grandes credores financeiros da varejista.

Dívidas com bancos

O ajuste para cima na dívida com os credores sem garantia real reflete, em parte, alterações nos créditos detidos por grandes bancos contra a Americanas. O Bradesco, por exemplo, tinha R$ 4,79 bilhões a receber de acordo com a primeira lista e agora aparece com R$ 5,15 bilhões em créditos. A dívida da varejista com o Itaú passou de R$ 2,76 bilhões para R$ 3,04 bilhões, segundo as informações disponíveis nas listas divulgadas pela varejista.

As dívidas da Americanas com credores trabalhistas quase dobraram, na comparação entre as duas listas. Somam R$ 119,6 milhões na versão atualizada. O montante equivale a apenas 0,28% da dívida total da Americanas (R$ 42,48 bilhões).

Micro e pequenas também estão entre credoras

A varejista deve quase R$ 73 milhões à classe de credores enquadrados como microempresas ou empresas de pequeno porte, de acordo com versão mais recente da relação. O valor é menor do que aquele reportado em 24 de janeiro (R$ 109,5 milhões). O número de credores que fazem parte dessa classe também diminuiu. Passou de 958 empresas para 650.

Nas duas versões da lista divulgadas pela Americanas não aparecem credores da classe dois, aqueles com garantias reais. Em ambos os documentos, a Americanas menciona créditos extraconcursais (obrigações contraídas durante o processo de recuperação judicial) inferiores a R$ 5 milhões.

Leia a seguir

Leia a seguir