Bolsas da Ásia sobem em meio a decisão do BC da Coreia do Sul; Xangai é exceção

O movimento acontece após o banco central da Coreia do Sul, Banco da Coréia (BoK), manter inalterada sua taxa de juros em 3,50%

No primeiro dia com todos os índices funcionando após o feriado, as principais bolsas do continente asiático fecharam em alta nesta terça-feira (11). O movimento acontece após o banco central da Coreia do Sul, Banco da Coréia (BoK), manter inalterada sua taxa de juros em 3,50% pela segunda reunião consecutiva.

A decisão acontece em meio a sinais de redução da inflação e preocupações com o enfraquecimento do crescimento econômico. Ao mesmo tempo, investidores também avaliaram os dados de inflação da China, que fizeram, por sua vez, o Xangai Composite registrar perdas.

Coreia do Sul

Na bolsa de Seul, o índice Kospi subiu 1,4%, para fechar em 2547,86 pontos. Os papéis de fabricantes de baterias, produtos químicos e automóveis lideraram o avanço.

Japão

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei subiu 1,0%, para 27923,37 pontos, liderado por ganhos em eletrônicos e ações de corretoras, já que as preocupações com o impacto do aperto agressivo da política dos bancos centrais diminuíram.

O novo presidente do banco central do país, Kazuo Ueda, indicou na segunda-feira que espera manter sua política de taxas de juros ultrabaixas sem mudanças drásticas.

Hong Kong

O índice Hang Seng, de Hong Kong, fechou em alta de 0,8%, a 20.485,24 pontos, sustentado por ações imobiliárias, após reduzir os ganhos anteriores depois da publicação de dados do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de março mais fracos do que o esperado da China.

“Os analistas estavam observando o dado em busca de sinais de consumo mais forte após a reabertura do país”, disse o estrategista de mercado da IG, Yeap Jun Rong, em nota.

China Continental

Já na China Continental, o índice Xangai Composto caiu 0,1%, para 3.313,57, pontos, após os dados de inflação de março, que diminuíram significativamente, elevarem a percepção de que o ímpeto de recuperação pós-covid permanece fraco.

Leia a seguir

Leia a seguir