JPMorgan vê ações da WEG (WEGE3) ‘mais atrativas’ com desvalorização do real

Banco americano diz que investidores ainda não consideram impacto positivo do dólar mais forte nas receitas da empresa

A desvalorização recente do real tornou as ações da WEG (WEGE3) mais atrativas. Uma vez que investidores ainda não estão considerando o impacto positivo que o dólar mais forte terá nas receitas da empresa, diz o JPMorgan.

Os analistas Marcelo Motta e Jonathan Koutras escrevem que 55% das receitas da WEG são geradas no exterior. Então, a cada 10% de queda no real, o faturamento da companhia potencialmente aumenta 5,5%.

Além disso, eles notam que a maior contribuição da Regal nos resultados da WEG começará a ter impactos reais a partir desse segundo trimestre. E só neste ano já pode adicionar o equivalente a 4,6% do faturamento total da empresa em 2023.

Eles calculam que as receitas da WEG podem crescer 16% neste ano, acima do consenso do mercado, quando incluídos esses efeitos, caso o dólar mantenha a tendência atual. Neste sentido, as ações permanecem como boa opção defensiva.

O JPMorgan tem recomendação de compra para as ações da WEG (WEG3). Com preço-alvo em R$ 47.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir