Sucessão na Petrobras, ata do FOMC, investimentos estrangeiros na B3

Na pauta do Manhã Inteligente desta segunda (4/4) estão os seguintes assuntos: falar a reviravolta na sucessão da Petrobras, a ata da reunião do FOMC dos Estados Unidos e os investimentos estrangeiros na B3

Hoje vamos falar sobre a reviravolta na sucessão da Petrobras, a ata da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) dos Estados Unidos e sobre investimentos estrangeiros na bolsa brasileira.

Reviravoltas na Petrobras

No domingo, o empresário Rodolfo Landim, que também é presidente do Clube de Regatas do Flamengo, comunicou que desistiu da indicação para assumir o conselho de administração da Petrobras. O nome de Landim teria recebido parecer contrário do Comitê de Pessoas da Petrobras, um órgão de compliance da estatal.

Segundo o jornal Valor Econômico, duas empresas de recomendação de voto também desaconselharam o nome de Landim a investidores estrangeiros que detêm direito a voto na Petrobras. A justificativa foi de conflitos de interesses e problemas de Landim com a Justiça. Agora, há também incertezas sobre a indicação de Adriano Pires para presidir a companhia. A indicação de Pires também pode cair por conflito de interesses.

Amanhã, terça-feira, o comitê da Petrobras se reúne para preparar um parecer a ser enviado aos acionistas que vão deliberar no dia 13 de abril sobre as indicações do presidente Jair Bolsonaro para a direção da estatal.

Divulgação da ata do FOMC

Também é destaque esta a semana a Ata do FOMC, o Comitê de Mercado Aberto do banco central dos Estados Unidos. A ata será divulgada nesta quarta-feira, e será importante para mapear o grau de inclinação do banco central dos Estados Unidos, para uma alta mais agressiva dos juros por lá.

Erro no cálculo de investimentos estrangeiros da B3

A B3 comunicou um erro na metodologia que usa para calcular o investimento estrangeiro no mercado de capitais. Houve mudança na metodologia da bolsa para o cálculo de entrada de capital estrangeiro no país, através do mercado financeiro.

Assim, ao invés de um saldo de R$ 91,1 bilhões em investimentos estrangeiros, o Brasil teria somado R$ 64,1 bilhões até o fim de março. Isso dá 27 BILHÕES de reais a menos. Mesmo assim, uma avaliação da empresa de investimentos Kinea, afirma que há um “longo caminho pela frente” na valorização de ativos na Bolsa brasileira.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 11h20
Dólar inverte sinal e passa a cair abaixo de R$ 4,80

Moeda americana era negociada a R$ 4,78 na mínima do dia

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 07h56
Citi: nova troca cria riscos na estratégia de longo prazo da Petrobras

Banco destaca em relatório uma 'significativa interferência externa' na empresa