Volume de serviços avança 1,7% em março, para maior patamar desde maio de 2015

Na comparação com março de 2021, o indicador teve alta de 11,4%

(Foto: Pixabay)

O volume de serviços prestados no país teve alta de 1,7% em março, frente a fevereiro, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em fevereiro, o setor tinha avançado 0,4% (dado revisado após divulgação inicial de -0,2%). Com o desempenho de março, os serviços recuperaram a perda de janeiro (-1,8%) e alcançaram o maior patamar de produção desde maio de 2015.

Além disso, os serviços estão, em média, 7,2% acima do nível pré-pandemia, em fevereiro de 2020. Algumas atividades, no entanto, ainda não recuperaram o patamar do pré-pandemia.

Na comparação com março de 2021, o indicador teve alta de 11,4%. No resultado acumulado em 12 meses até março, houve alta de 13,6%. No acumulado do ano, o volume de subiu 9,4% frente a igual período de 2021.

O resultado na série com ajuste sazonal ficou acima da mediana das estimativas de 26 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data, de variação de 0,9%. O intervalo das projeções ia queda de 0,4% a alta de 2,5%. Já a expectativa mediana para o resultado de março de 2022 frente a março de 2021 era de 8,3%, com intervalo entre 7,2% e 10,7%.

Todas as cinco atividades acompanhadas pela pesquisa tiveram alta na passagem de fevereiro para março. Foram destaque os transportes (2,7%) e os serviços de informação e comunicação (1,7%).

O IBGE informou ainda que a receita nominal subiu 1,2% na passagem entre fevereiro e março. Na comparação com março de 2021, a receita de serviços teve alta de 17,9%.

Em março de 2022, frente a fevereiro, 24 das 27 unidades da federação investigadas registraram taxas positivas. Entre os locais com alta, o impacto mais importante veio de São Paulo (2,7%), seguido por Minas Gerais (6,4%) Distrito Federal (10,3%), Santa Catarina (4,2%), Rio Grande do Sul (2,6%) e Rio de Janeiro (0,8%).

 

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h36
Muitos investidores de criptomoedas não sabem o que estão comprando, diz dirigente do BoE

Jon Cunliffe, do banco central britânico, intensificou o pedido para que as autoridades regulem os criptoativos

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h20
Dólar recua e toca R$ 4,94 com alívio externo

Clima favorável para ativos de risco domina o mercado internacional nesta terça

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração