Varejo e indústria tentam ‘escapar’ da inflação

Supermercados ampliam oferta de marcas regionais mais baratas, e canal de venda direta cresce

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O avanço da inflação reduziu os volumes vendidos no varejo nos últimos meses,obrigando as lojas a lançarem táticas – algumas inéditas em seus próprios negócios – para tentar reverter essa curva descendente. Quando a quantidade vendida perdevigor, o ganho na receita acaba vindo basicamente do reajuste de preços, o que“mina” os ganhos de escala das redes.

Indústrias e varejistas montam novas ações que vão de negociações para maismudanças no tamanho de embalagens, venda a prazo de produtos nunca antesparcelados e volta de promoções que tinham sumido das lojas até metade desteano. Cupons de descontos dados em lojas, para incentivar a venda on-line, voltarama ser emitidos desde setembro.

Além disso, mais que dobrou a quantidade de marcas regionais, mais baratas, nasprateleiras de quatro meses para cá. No café, passou de quatro para até 10 marcas,com variação de 70% nos preços, diz a Abras, associação dos supermercados. Noarroz, foi de quatro para até nove, em média. Macarrão e feijão também foramafetados.
Isso mexe com contratos e obriga as lojas a reorganizarem seus espaços nasgôndolas, já negociados com marcas líderes, para acomodar as linhas mais baratas.

Também entre os fornecedores, desde a metade do ano aumentaram as iniciativasde criação de plataformas de venda direta ao consumidor – que eliminamintermediários, o que ajuda a reduzir os preços na ponta. Na avaliação de Manoel deAraújo, sócio diretor da consultoria Martinez de Araújo, “o varejo brasileiro estávoltando à normalidade”, diz ele.
“Aquilo que vimos em 2020 e parte de 2021, com superestocagem de produtos nascasas, preços subindo e demanda alta, foi um desequilíbrio da cadeia por causa dapandemia. Voltamos à normalidade, não em termos de preços, porque ainda estãoelevados. Mas no retorno de um ambiente mais competitivo entre as redes, maispromocional, e da necessidade de elas reagirem à queda de volume sendo maiseficientes”, completa.

A desaceleração no volume, nos últimos meses, ocorreu em alimentos e eletrônicos,e reflete a queda do poder de compra da população. A massa salarial, que incluibenefícios, deve cair 6% em 2021, segundo cálculos de bancos.
Com 110 lojas, a rede de supermercados Hirota decidiu, pela primeira vez, parcelarcompras em até três vezes sem juros neste Natal, e pode voltar com isso na Páscoae no Dia das Mães. “Também estamos dando frete grátis no on-line e o preço noaplicativo está 10% menor neste fim de ano. A diferença antes não chegava nisso.Trocamos de agência [de publicidade] em novembro porque decidimos que vamos mais que dobrar a verba de mídia e ter uma exposição mais forte da marca paraatrair tráfego maior”, disse o diretor Hélio Freddi.

“Em novembro tivemos o volume de venda mais baixo do ano. Nosso tíquete médio,nos últimos três meses, caiu de R$ 85 para R$ 67”, disse. “Estamos buscandoalternativas, discutindo formas novas de vender para a classe C porque esperamosum aumento no empobrecimento da população no ano que vem. Nossas projeçõessão de um 2022 difícil, mesmo que a inflação recue”.

Em períodos de crise, as práticas comuns são os “combos” com ofertas (pague um eleve o segundo com desconto) e o incentivo à venda de itens de marca própria. Mas,hoje, há várias medidas sendo tomadas ao mesmo tempo.
A rede de atacarejo Assaí vem discutindo com a indústria a readequação dotamanho de embalagens de certos produtos “de forma a manter o poder de comprado cliente”, disse em nota ao Valor. “Na maioria das vezes, isso implica em reduzi-las para manter os preços finais”.

A indústria já diminuiu suas embalagens na última recessão, em 2015, mas isso precisa ocorrer com aviso visível da diminuição das mercadorias, já que o cliente paga o mesmo, mas leva menos produto para casa. A atacadista ainda decidiu, nos últimos meses, reforçar as compras de itens de primeiro preço (15% a 20% abaixo de marcas tradicionais), principalmente em mercearia e em limpeza, “respeitando uma tendência iniciada pelo próprio consumidor em procurar itens mais baratos dessas categorias”. De julho asetembro, a venda no Assaí subiu 17,5%, incluindo a inflação alimentar (de 14,7% até setembro). Ou seja, a alta real é de um dígito baixo. Em “mesmas lojas” (com mais de um ano) houve uma pequena retração em volume, disse o comando em novembro.

O Atacadão, do grupo Carrefour, já percebeu, no terceiro trimestre, que os reajustes chegaram num ponto que afetaram a demanda, especialmente dos produtos básicos, levando a um aumento de ofertas em certas lojas. “A elasticidade dos consumidores ao preço diminuiu […], ao mesmo tempo em que nossas iniciativas promocionais se tornaram mais concentradas nas lojas novas”, disse, em novembro, em relatório de vendas trimestral. Anos atrás, o atacarejo evitava promoções, pelo foco em preços mais estáveis o ano todo.

O Atacadão ainda vem aumentando as compras por oportunidade, em grandes volumes, frente a perspectiva de reajustes futuros. “A elevada inflação continuou fazendo com que essa capacidade [de criar estoques por oportunidade] se tornasse ainda mais relevante”, disse em seu relatório trimestral, em novembro. De julho a setembro, as vendas líquidas da cadeia cresceram 14,4%, abaixo da inflação de 12 meses (14,7%).

Outros caminhos tomados no segundo semestre foram a volta do cupom de descontos nos hipermercados do Carrefour, que haviam sumido das lojas em 202 0porque a rede não precisava, na época, incentivar a compra. Outra iniciativa trata da volta da política de congelamento de preços de itens de marca própria da rede. Isso ocorreu de abril a julho de 2020. Mas a empresa voltou com a medida no mês passado, por dois meses. O grupo estuda a possibilidade de prorrogação da ação para 2022.

Na indústria, há empresas buscando acordos que reduzam a presença de intermediários na venda, o que pode contribuir para um repasse desse ganho ao preço. A Infracommerce, que oferece serviços como logística, armazenagem e distribuição para comércio on-line, fechou 86 contratos com empresas, nos últimos seis meses, para administrar a venda direta. A empresa não informa nomes dos clientes.

Como a Infracommerce, com 13 centros de distribuição, faz a gestão de entregas, isso reduz a necessidade de as indústrias usarem distribuidores regionais. “A indústria não tem controle sobre o preço de seus produtos quando vende a um terceiro. Ao vender diretamente, ela passa a ter esse controle e decidir se repassa o ganho de uma cadeia mais enxuta ao cliente ou se amplia a sua margem. Como a competição com as marcas próprias cresceu muito após a alta da inflação, percebemos que os clientes vêm adotando a estratégia de serem mais combativo sem preços”, diz Fábio Fialho, vice-presidente de marketing e vendas.


Você também pode gostar
Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 06h32
Governo quer registrar venda da Eletrobras nas bolsas de NY e SP na próxima semana

Após aprovação do TCU, objetivo é tentar acelerar o processo e garantir a privatização da empresa até 15 de junho

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 17h47
TCU forma maioria para aprovar privatização da Eletrobras

Governo aguarda aprovação do tribunal para fazer a capitalização da companhia ainda este ano

Valor Econômico Publicado em 18.maio.2022 às 17h23
Lockdowns na China estão afetando as cadeias globais de produção, diz secretária do Tesouro dos EUA

Secretária do Tesouro americano alertou que os fechamentos na China têm efeito dominó em todo o mundo, e que é preciso ficar atento com os impactos destas medidas