Setor de saúde movimenta mais de R$ 10 bilhões em aquisições em 2021

Além das compras, quatro das 14 empresas listadas abriram o capital e uma fez um re-IPO neste ano

Foto: Hush Naido Jade/Unsplash

O setor de saúde teve mais um ano movimentado. Foram mais de R$ 10 bilhões em aquisições promovidas pelas 14 companhias listadas, sendo que quatro delas abriram o capital e uma fez um re-IPO neste ano.

As quatro estreantes —Mater Dei, Oncoclínicas, Kora e Viveo — captaram R$ 6 bilhões. A Dasa, por sua vez, levantou R$ 3,3 bilhões. A Rede D’Or, que fez o segundo maior IPO do país em dezembro de 2020, anunciou dez aquisições neste ano, que somaram R$ 3,5 bilhões. Além disso, o maior grupo hospitalar aumentou consideravelmente, sua participação na Qualicorp nos últimos12 meses.

Hoje, a D’Or tem cerca de 30% na maior administradora de planos de saúde do país. Mas o setor não foi marcado somente pelas transações milionárias. Teve a polêmica entrada do empresário Nelson Tanure na Alliar, que há quatro meses tenta adquirir o controle da rede de medicina diagnóstica. Na semana passada, a gestora Esh, minoritária da Alliar, reclamou que Tanure tenta evitar uma OPA nas mesmas condições pagas aos acionistas do bloco de controle.

A ação da Alliar já tem perda de mais de 20% nos últimos cinco dias. A megafusão entre as operadoras verticalizadas
Hapvida e NotreDame Intermédica, anunciada no começo do ano, está prestes a ser concluída. Há cerca de 15 das, a Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou uma aprovação sem restrições, o que tem grandes chances de acontecer, uma vez que o caso não tem um terceiro interessado para se opor.

O setor também tem assistindo à expansão das startups de planos de saúde. Nas últimas duas semanas, a
Alice recebeu uma nova rodada de investimentos de US$127 milhões (o equivalente a R$ 728,6 milhões pela cotação do dólar do dia 21) liderada pelo SoftBank Latin America Fund. Já a Sami anunciou um aporte de R$110 milhões liderado por DN Capital, Monashees, Redpoint e Valor Capital.

Outra transação que chamou atenção neste ano foi a DNA Capital — cujo principalinvestidor é a família Bueno, controladora da Dasa e Viveo — que adquiriu 25% dobraço de educação médica da Ânima, por R$ 1 bilhão há três semanas. No dia doanúncio, o papel do grupo educacional chegou a ter alta de 27%.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente