Análise: Sachsida abre cartilha liberal, silencia sobre combustíveis e tenta mudar a pauta

Novo ministro defendeu aprovação do novo marco do setor elétrico e mudança do regime de partilha nas licitações do pré-sal

Gasolina tem pressionado os índices inflacionários (Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)

Em seu primeiro discurso, o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, silenciou sobre o problema dos combustíveis, tão caro para seu chefe, o presidente Jair Bolsonaro, e abriu sua cartilha liberal para dar ênfase à agenda de melhoria regulatória, privatizações e à necessidade de o país aproveitar o processo de revisão das cadeias globais de produção com medidas “estruturais”, que atraiam capitais privados.

A uma semana da votação do processo da Eletrobras pelo Tribunal de Contas da União (TCU), disse que a venda, criticada pelas candidaturas oposicionistas ao Planalto, é fundamental para essa atração de capital internacional. E anunciou como primeiros atos como ministro pedidos para incluir no programa de privatizações a PPSA, estatal que recebe os barris do modelo de partilha de produção, e para que sejam feitos estudos para uma possível venda da Petrobras ao setor privado.

O gesto é meramente político. É virtualmente impossível vender a PPSA neste ano e, a empresa em si, nada vale, o que tem valor são os barris que são da União e na qual a estatal é meramente uma instância de passagem.

Propor a discussão de que medidas legislativas seriam necessárias para venda da Petrobras, por sua vez, só serve agora para marcar diferença com a oposição, que defende uma empresa que atue para conter os preços dos combustíveis. Em meio à crescente pressão de Bolsonaro para intervir na empresa, é uma clara tentativa de mudar de assunto.

O novo ministro defendeu a aprovação do novo marco do setor elétrico e a mudança do regime de partilha nas licitações do pré-sal. E fez a propaganda usual das medidas do crédito. No discurso, foi o Sachsida de sempre. A ver como será na prática diária de ministro, na pasta que hoje carrega os maiores desafios para o governo atual e cujos temas são pedras no caminho da tentativa de reeleição de Bolsonaro.

(Por Fabio Graner, analista de economia do JOTA em Brasília)

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 10h11
O que Elon Musk deve discutir na passagem pelo Brasil

Bilionário terá encontro com o presidente Jair Bolsonaro e empresários

Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 09h58
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 17h39
Juros futuros fecham em forte queda, com expectativas de inflação no foco

Mercado vê que a inflação pode ser impactada por possível alíquota máxima de 17% do ICMS cobrado sobre energia, telecomunicações, combustíveis e energia

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 18h15
Trabalhador poderá usar até 50% do saldo do FGTS na privatização da Eletrobras

Valor mínimo do investimento é de R$ 200. Governo estabeleceu R$ 6 bilhões como teto global para uso do Fundo, o que pode reduzir percentual que cada trabalhador poderá investir