Reajuste de servidor pode quebrar país e fazer inflação disparar, afirma Guedes

Além das demandas em nível federal, há temor de que os Estados entrem na onda e joguem fora os ganhos fiscais recentes

(Foto: Agência Brasil)

A crescente mobilização do funcionalismo por aumento tem deixado a equipe econômica cada vez mais preocupada com o risco de inflação que o processo de reajuste de servidores poderia gerar. Além das demandas em nível federal, que nesta semana estão ganhando fôlego com a mobilização de diversas categorias, há temor de que os Estados entrem na onda e, aproveitando o calendário eleitoral, joguem fora os ganhos fiscais recentes.

Em mensagens internas no governo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou claro o receio com o processo que está em curso no governo federal, alertando o presidente Jair Bolsonaro e ministros para o perigo de reajustes generalizados quebrarem o país e para a necessidade de não ceder, evitando uma escalada de preços. Hoje, servidores de várias carreiras discutem os próximos passos de sua mobilização.

A área econômica conseguiu segurar no Orçamento o limite para reajustes em R$1,7 bilhão. Mas isso não significa que o risco foi afastado, dado que as pressões podem forçar mudanças futuras no Orçamento. O esforço, que levou o chefe da Economia a não tirar suas férias e se manter em Brasília, é tentar conter essas pressões ou no máximo acomodá-las dentro do limite estabelecido no Orçamento.

Internamente, o ministro defende que não se deve dar reajustes a nenhuma carreira, a não ser que se avance na reforma administrativa, que garantiria uma economia anual da ordem de R$ 30 bilhões por ano. O governo, porém, já indicou que dará aumento para carreiras de segurança (Polícia Federal, Polícia RodoviáriaFederal e Departamento Penitenciário), dentro de um processo de reestruturação.

Agora, categorias como Receita e Banco Central, que estão entre as mais bem remuneradas do serviço federal junto com as polícias, pressionam por ganhos de renda. A Receita está diretamente debaixo do guarda-chuva de Guedes. O truque da reestruturação pode ser usado por outras categorias.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Publicado em 18.maio.2022 às 12h22
Ofensiva de Bolsonaro contra Alexandre de Moraes deve ser arquivada no STF

Expectativa, na Corte, é que a notícia-crime apresentada pelo chefe do Executivo, em que acusa o magistrado de abuso de autoridade, siga o trâmite normal e, em seguida, seja arquivada

Valor Econômico Publicado em 18.maio.2022 às 12h14
Entenda o que o governo faz com o lucro da Petrobras

Estatal destaca que o pagamento de dividendos é obrigatório em caso de lucro para qualquer empresa de capital aberto