Servidores do Judiciário vão acionar STF contra reajuste linear de 5%; pedido é de 19%

Associação da PF falou em 'quebra desleal de compromisso' por parte de Bolsonaro

Fachada do Supremo Tribunal Federal. (Foto: Dorivan Marinho/SCO/STF)

A Federação dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União (Fenajufe) vai acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) contra o reajuste linear de 5% que o governo deve conceder a todo o funcionalismo.

A categoria já vem se reunindo com ministros da Corte desde que o presidente Jair Bolsonaro anunciou que corrigiria apenas os salários de profissionais da área de segurança pública, ligados à sua base de apoio.

Os servidores do Judiciário defendem uma recomposição de 19,99% em seus vencimentos, referentes às perdas inflacionárias sofridas pela categoria desde 2019. Eles tentam sensibilizar o Supremo a aderir ao pleito.

Para o diretor da Fenajufe, Thiago Duarte Gonçalves, o reajuste linear de 5% “aprofunda o processo de corrosão da renda da categoria, com o achatamento de salários” em momento de inflação dos gastos básicos.

Associação da PF faz críticas

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) emitiu nota em que se manifesta contra a decisão do governo de conceder um reajuste linear de 5% todo o funcionalismo público, a partir de julho.

A categoria fala em “total indignação e repúdio”, pois o presidente Jair Bolsonaro havia prometido usar R$ 1,7 bilhão para aumentar os subsídios apenas de servidores da área de segurança pública.

“Se a informação se confirmar, haverá uma quebra desleal do compromisso que será sentida ainda mais depois das diversas perdas sofridas pelos policiais federais durante este governo”, diz a nota.

A entidade diz que o governo Bolsonaro “não está reconhecendo o sacrifício” dos policiais federais, nem vem tomando qualquer “ação concreta de respeito” ao trabalho desses profissionais.

Entre as principais queixas da categoria estão a redução salarial devido ao aumento da contribuição com a previdência e o fato de seus familiares não terem assegurado o pagamento da pensão integral por morte.

“A Polícia Federal e os policiais federais precisam ser valorizados e a segurança pública tratada efetivamente como prioridade e não objeto de discursos vazios ou um slogan de campanha”, ressalta a nota.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração

Manhã Inteligente Publicado em 17.maio.2022 às 11h57
Banco Central e Selic, abertura de capital, novela Musk e Twitter

Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre os principais assuntos que podem afetar seus investimentos nesta terça (17)

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h22
Governo mexe na tabela do frete para conter insatisfação de caminhoneiros

Presidente editou medida provisória reduzindo de 10% para 5% o gatilho que permite revisão da tabela