Programa de Lula prevê mudanças na reforma trabalhista e no teto de gastos

O documento foi organizado com contribuições dos partidos que devem compor a chapa do petista

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A nova versão das diretrizes para o programa de governo da chapa Lula-Alckmin, que será divulgada nesta terça-feira (21) em São Paulo, propõe uma nova legislação trabalhista com “extensa proteção social a todas as formas de ocupação, emprego e de relação de trabalho”. O documento fala em revogar “marcos regressivos da atual legislação trabalhista, agravados pela última reforma” e “restabelecer o acesso gratuito à Justiça do Trabalho”.

O texto diz ainda que será retomada a política de valorização do salário mínimo “visando a recuperação do poder de compra”. O debate e as iniciativas de reestruturação sindical serão incentivadas e a autonomia sindical, respeitada.

Na criação de oportunidades de trabalho e emprego, o documento fala em apoio ao cooperativismo, empreendedorismo e micro e pequenas empresas, e propõe a “retomada de investimentos em infraestrutura e habitação; a reindustrialização nacional em novas bases tecnológicas e ambientais, a reforma agrária e o estímulo à economia solidária, à economia criativa e à economia verde inclusiva, baseada na conservação na restauração e no uso sustentável da nossa biodiversidade”.

O documento também mantém a revogação do teto de gastos e indica uma revisão do atual regime fiscal brasileiro, que é considerado “disfuncional e sem credibilidade”.

O texto fala em colocar os pobres no orçamento e os super-ricos pagando impostos. O plano de governo indica a construção de um novo regime fiscal que garanta “atuação anticíclica”, que promova a “transparência e o acompanhamento da relação custo-benefício das políticas públicas” e que “esteja vinculado à criação de uma estrutura tributária mais simples e progressiva”.

O documento foi organizado com contribuições dos partidos que estão na aliança: PT, PSB, PCdoB, PV, PSOL, REDE e Solidariedade.

Combustíveis

A versão renovada do plano critica a atual política de preços dos combustíveis, que chama de “internacionalizada e dolarizada”. O documento fala em “abrasileirar o preço dos combustíveis e ampliar a produção nacional de derivados, com expansão do parque de refino”.

O programa considera que houve uma “orientação passiva para a política cambial” que “acentuou a volatilidade da moeda brasileira em relação ao dólar” e teve “consequências perversas no índice de preços”.

O documento diz ainda que o atual governo renunciou ao uso de instrumentos importantes de combate à inflação e critica a atual política de juros altos. Afirma que será estabelecida uma política nacional de abastecimento com a retomada de estoques reguladores e a ampliação de políticas de financiamento e de “apoio à produção de alimentos, aos pequenos agricultores e à agricultura orgânica”.

Privatizações

No capítulo que trata das empresas de controle ou participação estatal, o programa da chapa Lula-Alckmin enfatiza que é contra as privatizações da Petrobras, Eletrobras e Correios.

“Será necessário proteger o patrimônio do país e recompor o papel indutor e coordenador do Estado e das empresas estatais”, diz um trecho.

O documento indica que a Petrobras “voltará a ser uma empresa integrada de energia”, com investimentos em exploração, produção, refino e distribuição, e também com atuação em segmentos que se conectam à “transição ecológica e energética”.

Sobre a Eletrobras, que foi privatizada, o texto diz que seu “papel como patrimônio do povo” precisa ser recuperado. O grupo também ressalta que é contra a privatização dos Correios, “uma empresa com importante função social, logística e capilaridade em todo o território nacional”.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais