Parecer da PEC dos Precatórios será votado na terça-feira na CCJ do Senado

Foi concedido pedido de vista coletivo, para dar mais tempo de análise aos parlamentares. A intenção inicial do governo era votar a proposta nesta quinta-feira

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Foi lido hoje, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, o parecer do relator Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) para a PEC dos Precatórios. A matéria volta à pauta na terça-feira (30) para votação pelo colegiado.

Até lá, Bezerra fará uma série de reuniões com bancadas e líderes para tentar diminuir as resistências à proposta. Em seu parecer, ele fez três alterações de redação e quatro emendas de mérito.

A primeira é a que transforma o Auxílio Brasil em um programa permanente. A segunda é a vinculação do espaço fiscal aberto a três tipos de gasto: ampliação de programas sociais de combate à pobreza e à extrema pobreza, caso do Auxílio Brasil; atendimento dos limites individualizados e sublimites que decorram do novo cálculo do teto de gastos; às outras despesas da Seguridade Social, contemplando as áreas da Saúde, da Previdência e da Assistência Social.

O parecer também define o fluxo de pagamento de precatórios e propõe a criação de uma comissão mista de acompanhamento, com o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para fazer a auditoria dos precatórios. “É indiscutível a necessidade de abertura de espaço fiscal dentro do Teto de Gastos para abrigar um novo programa social robusto.

Caso aprovada, a proposição em exame contribuirá para que o número de famílias que serão atendidas pelo Auxílio Brasil salte de 14,6 milhões para 17 milhões. O aumento de 16,4% na cobertura do programa significará que a fila de espera de pessoas inscritas no Cadastro Único, mais conhecido como CadÚnico, e aptas a receber apoio financeiro assistencial do governo federal seja zerada”, apontou o relator.

A aprovação da matéria, segundo o governo, permitirá que haja aumento no valor dos benefícios mensais pagos às famílias. Com o Bolsa Família, o tíquete médio era de R$ 186,68; com o Auxílio Brasil, é atualmente de R$ 224,41. “Com maior espaço fiscal, será possível majorar substancialmente o tíquete médio do novo apoio assistencial e, além disso, , implantar um piso de R$ 400 mensais por beneficiário”, afirmou Bezerra.


Você também pode gostar

Valor Econômico

Publicado em 03.dez.2021 às 16h26

Parecer preliminar traz previsão de R$ 16,2 bilhões em emendas do relator

O deputado Hugo Leal (PSD-RJ), relator-geral do Orçamento de 2022, apresentou nessa sexta-feira (3) seu parecer preliminar ao projeto de lei orçamentária anual para o próximo ano. Ele já incluiu a nova regra para as emendas de relator, chamada de RP9 no jargão técnico e de orçamento secreto, como ficou conhecida. O documento deixa claro […]

Valor Econômico

Atualizado em 02.dez.2021 às 15h10

Senado aprova PEC dos Precatórios em segundo turno; texto volta à Câmara

Para conseguir os votos necessários, o governo teve que recuar até mesmo em um dos pontos principais da PEC: a criação de um subteto para pagamento de precatórios

Redação IF

Atualizado em 01.dez.2021 às 10h00

CCJ do Senado aprova por 16 votos a 10 parecer final sobre a PEC dos Precatórios

Senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo, deve ser reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para pedir que a PEC seja levada ao plenário ainda nesta terça-feira

Valor Econômico

Atualizado em 26.nov.2021 às 20h00

Planalto resiste a impor restrições sanitárias por nova variante do coronavírus

A ômicron, como foi batizada, foi identificada antes na África do Sul e preocupa cientistas por sua alta capacidade de mutação

Valor Econômico

Publicado em 25.nov.2021 às 19h18

Consultoria da Câmara aponta calote de até R$ 1 tri com PEC dos Precatórios

O volume não pago aumentará ano a ano até 2036, quando está previsto o fim do teto de gastos — e, por consequência, do subteto que limita o pagamento dos precatórios. Daí o governo terá de pagar tudo de uma vez