Lira diz que é preciso ‘discutir algumas situações em Brasília’ para manter dólar abaixo de R$ 5

Presidente da Câmara, no entanto, não detalhou as medidas que acredita que devem ser adotadas

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou na quinta-feira que precisa discutir “algumas situações em Brasília” para evitar que o dólar ultrapasse de novo a cotação de R$ 5 e que, para ele, o ideal é que a moeda americana fique abaixo desse patamar para não pressionar ainda mais a inflação no país.

Lira participou de evento no Conselho de Federações Empresariais de Santa Catarina para falar sobre o ano legislativo e defendeu uma agenda de reformas, mas admitiu que parte delas, como a administrativa, é difícil no ano eleitoral. Ele cobrou que os empresários que não se manifestaram a favor da reforma e que passem a atuar mais.

Sobre o dólar, Lira não detalhou as medidas que acredita que devem ser adotadas, mas defendeu uma ação para que a moeda estanque a subida. “O dólar sobe de novo, sofre pressão exterior, e a gente tem que discutir algumas situações em Brasília para controlar essa situação e não sair de novo da casa de R$ 5. Tem que ser ali de R$ 5 para baixo”, disse.

Ele elogiou a ação do Banco Central brasileiro, “que saiu na frente ao aumentar o juros e atrair o capital externo para o Brasil”, mas ressaltou que outras conjunturas globais fizeram com que a moeda voltasse a subir esta semana. Se o dólar continuar subindo, destacou, a população sofrerá com uma inflação maior e combater isso é uma das metas da Câmara para o ano.

Outra meta, afirmou, é reduzir o desemprego, e serão tomadas medidas para “otimizar a economia”. Ele defendeu ainda medidas aprovadas na sua gestão, como a mudança nas regras de liberação de agrotóxicos e a Lei Geral do Licenciamento Ambiental, e se queixou de precisar perder tempo respondendo sobre a prisão de parlamentares ou se haverá eleições ou não.

Segundo o presidente da Câmara, uma nova negociação está em curso para tentar aprovar um programa de refinanciamento tributário (Refis) este ano. O Senado aprovou uma versão do projeto no ano passado, mas que foi ampla demais, segundo ele, e a Câmara não conseguiu votar em dezembro por causa dessas divergências com o governo.

Lira vinha trabalhando para incluir uma versão do Refis na medida provisória (MP) 1090, que renegocia dívidas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), mas nesta quinta-feira afirmou que nessa medida deve entrar apenas o “aprimoramento” de regras para a transação tributária (negociação direta entre o devedor e a Procuradoria-Geral da Fazenda para conceder descontos de acordo com a capacidade do pagador de quitar a dívida).

O Refis, afirmou Lira, pode vir na reforma do Imposto de Renda, o que está em negociação com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Junto com a cobrança de imposto sobre os dividendos das empresas, os senadores incluiriam regras para parcelar a dívida das empresas que tiveram prejuízo com a pandemia.

A intenção seria votar a reforma do Imposto de Renda junto com o Refis no Senado e as modificações na Câmara até 1º de junho, disse. O prazo também valeria para as mudanças na transação tributária, que entrarão dentro da MP 1090.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 07h26
Elon Musk se reúne nesta sexta-feira com Bolsonaro e empresários

Segundo ministro das Comunicações Fábio Faria, objetivo é discutir conectividade e proteção da Amazônia com o governo brasileiro

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 17h39
Juros futuros fecham em forte queda, com expectativas de inflação no foco

Mercado vê que a inflação pode ser impactada por possível alíquota máxima de 17% do ICMS cobrado sobre energia, telecomunicações, combustíveis e energia

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 18h15
Trabalhador poderá usar até 50% do saldo do FGTS na privatização da Eletrobras

Valor mínimo do investimento é de R$ 200. Governo estabeleceu R$ 6 bilhões como teto global para uso do Fundo, o que pode reduzir percentual que cada trabalhador poderá investir