Governo oficializa fim do estado de emergência da covid-19

A melhora no quadro epidemiológico foi o principal fator que motivou a decisão

Foto: Pixabay

O Ministério da Saúde oficializou nesta sexta-feira o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin) da covid-19. O ministro Marcelo Queiroga assinou uma portaria com as novas determinações, que passam a valer em 30 dias.

A melhora no quadro epidemiológico, com queda nas contaminações e mortes pela doença, foi o principal fator que motivou o governo a encerrar a Espin. Foram necessários, no entanto, ajustes para evitar a descontinuidade de algumas atividades.

Um dos principais foi o envio de notificação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que mantenha a autorização para o uso da Coronavac. Ainda sem registro definitivo pela agência, a vacina estava autorizada com base em regras da Espin.

“Na última segunda-feira (18), a Anvisa informou que está revisando a vigência dos atos editados em resposta à pandemia e que a prorrogação do prazo depende de aprovação da Diretoria Colegiada da agência”, informou o ministério, em nota.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 17h39
Juros futuros fecham em forte queda, com expectativas de inflação no foco

Mercado vê que a inflação pode ser impactada por possível alíquota máxima de 17% do ICMS cobrado sobre energia, telecomunicações, combustíveis e energia

1 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 16h01
Dólar comercial renova mínima com fraqueza da moeda no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

2 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

3 min
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

1 min