Genial/Quaest: Lula lidera corrida presidencial com 46% contra 30% de Bolsonaro

Petista amplia chance de ser eleito já no primeiro turno

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A nova rodada da pesquisa Genial/Quaest, publicada nesta quarta-feira (8), mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode ser eleito no primeiro turno. No cenário mais completo da sondagem, Lula lidera com 46% das intenções de voto contra 41% dos demais postulantes somados.

Na busca pela reeleição, o presidente Jair Bolsonaro (PL) aparece em segundo, com 30%. Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro na corrida presidencial, com 7%, seguido por André Janones (Avante), com 2%, Simone Tebet (MDB), com 1%, e Pablo Marçal (Pros), com 1%. Os outros pré-candidatos não pontuaram.

Em um eventual segundo turno, o petista venceria Bolsonaro (por 54% a 32%), Ciro (por 52% a 25%) e Tebet (por 56% a 20%). Já no quesito rejeição, Bolsonaro lidera: 60% dizem que não votariam de jeito nenhum no atual mandatário. Ciro tem 52% e Lula 40%. Tebet aparece com apenas 17% de rejeição, mas 77% dos entrevistados disseram não conhecer a senadora.

O levantamento foi feito entre 2 e 5 de junho com 2.000 pessoas com 16 anos ou mais. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O que tem favorecido Lula e ampliado a chance de o petista vencer no primeiro turno?

Felipe Nunes, diretor da Quaest Pesquisa, aponta que a péssima percepção do eleitor sobre a situação econômica ajuda a entender porque Lula está na frente. “Para 44% dos brasileiros, a economia é o principal problema enfrentado pelo país atualmente”, diz. “Quando dividimos a economia em sub-temas, identificamos que a inflação passou a ser o principal fator de preocupação do eleitor brasileiro. Em setembro de 2021, só 6% diziam que a inflação era o principal problema do país. Hoje, são 23%”, acrescenta.

Nunes destaca também que, para 57% dos brasileiros, está ficando mais difícil pagar as contas nos últimos meses. Além disso, 63% dizem que a economia brasileira piorou no último ano. “Tudo isso ajuda a explicar porque o governo está tentando de tudo para diminuir a pressão inflacionária criada pelo aumento dos combustíveis”, observa. “Se para 66% dos brasileiros a situação econômica influencia muito ou mais ou menos o voto para presidente, Bolsonaro precisa encontrar saídas que tirem do seu colo a responsabilidade pelo problema”, avalia.

O direto da pesquisa considera que o presidente “precisa fazer isso logo, porque cresceu o percentual de brasileiros que afirmam que é Bolsonaro o principal responsável pelo aumento nos preços dos combustíveis (passou de 24% para 28% em dois meses)”. “Para piorar, Bolsonaro enfrenta o candidato cujo governo é tido por 62% dos eleitores como o melhor da história recente para fazer seu salário ter mais poder de compra. Ou seja, até eleitores adversários reconhecem que o salário valia mais durante o governo Lula”, completa.


Você também pode gostar
Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 11h35
Análise: De olho no voto útil, Lula retoma pontes com empresários e empodera “guru” econômico

Ex-presidente, antes refratário a assumir compromissos na campanha, antecipa série de conversas com o PIB, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 07h22
Ministros do TSE veem ‘drible’ à lei eleitoral com PEC que cria benefícios sociais

Magistrados apontam que as medidas podem abrir espaço para que haja abuso no uso da máquina pública

JOTA Publicado em 29.jun.2022 às 15h24
Relator da PEC 16 propõe estado de emergência e aumento de benefícios sociais

De acordo com o senador Fernando Bezerra, os efeitos da emergência só valerão para medidas propostas com impacto de R$ 38 bi