TSE diz às Forças Armadas que não existe ‘sala escura’ de apuração

Tribunal defendeu a segurança das urnas eletrônicas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) enviou, nesta segunda-feira, as respostas feitas às novas sugestões das Forças Armadas sobre o processo eleitoral. No documento, de 35 páginas, a equipe técnica da corte voltou a defender a segurança das urnas eletrônicas e disse que não há “sala escura” de apuração dos votos.

Ao todo, o TSE rebateu sete “observações e recomendações” feitas pelos militares à Comissão de Transparência Eleitoral, criada no ano passado para discutir medidas para melhorar o sistema de votação. Além de um representante das Forças Armadas, o grupo conta com nomes do Congresso, de universidades e da sociedade civil.

As novas sugestões foram enviadas após o fim do prazo estipulado pelo comitê, em meados de dezembro. Mesmo assim, o TSE decidiu analisar as sugestões “a fim de prestigiar o diálogo” com a instituição.

O embate entre a Justiça Eleitoral e as Forças Armadas escalou nas últimas semanas e vem sendo alimentado pelo presidente Jair Bolsonaro, que tem feito reiterados ataques ao processo eleitoral.

No último capítulo da crise, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, pediu que ele, como “a autoridade que exerce a direção superior das Forças Armadas”, seja comunicado diretamente das atividades da comissão. O ofício é do dia 28 de abril, mas veio a público nesta segunda-feira.

A primeira sugestão das Forças Armadas foi para aumentar o “nível de confiança” do teste de integridade das urnas, que, segundo os militares, seria de 66%. A equipe técnica do tribunal, no entanto, disse que as Forças Armadas “confundem conceitos” e adotaram parâmetros diferentes para chegar a esse número.

”Pressupostos diferentes resultam, naturalmente, em cálculos discrepantes e, desse modo, a assunção arbitrária de uma probabilidade desarrazoada resulta na maximização indevida da magnitude do erro amostral”, disse o tribunal

Segundo o TSE, o nível de confiança dos testes é de 99%. “Diante de tudo quanto exposto e, tendo em vista que já houve substancial aumento da amostra de urnas sujeitas ao teste de integridade nas eleições de 2022, trabalhando-se hoje com um nível de confiança superior a 99%, o Tribunal Superior Eleitoral não encontrou razões técnicas aptas a sustentar o acolhimento da presente sugestão ou recomendação”, afirmou.

As Forças Armadas também defenderam que as urnas que fariam parte do Teste de Integridade fossem escolhidas por sorteio. Segundo o TSE, esse modelo pode ser adotado nos próximos pleitos, mas, para 2022, já há um combinado para que a escolha das seções eleitorais seja feita pelas próprias entidades fiscalizadoras.

O tribunal também defendeu a centralização da totalização dos votos, que, desde 2020, por sugestão da Polícia Federal, passou a ocorrer no TSE e não nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs). A sugestão das Forças Armadas é que se o processo continue centralizado no TSE, mas que também fosse mantido o método anterior da totalização a ser realizada nos TREs.

“A sugestão de descentralização para geração de redundâncias, de um lado, parte de premissas incorretas e, de outro, desconsidera o incremento de riscos de segurança que a concentração de equipamentos logrou resolver. Seria, pois, segundo colhe-se do sentido da posição sugerida pela Polícia Federal, um grande retrocesso”, disse.

O TSE, no entanto, apontou que há mecanismos que garantem a contagem dos votos em qualquer lugar do país, através de mecanismos como a contagem através dos boletins urnas.

“Não há, pois, com o devido respeito, ‘sala escura’ de apuração. Os votos digitados na urna eletrônica são votos automaticamente computados e podem ser contabilizados em qualquer lugar, inclusive, em todos os pontos do Brasil”, disse.

Em outro trecho, o tribunal volta ao tema: “Não existem salas secretas, tampouco a menor possibilidade de alteração de votos no percurso, dado que qualquer desvio numérico seria facilmente identificado, visto que não é possível alterar o resultado de uma somatória sem alterar as parcelas da soma”.

As outras sugestões das Forças Armadas foram sobre fiscalização e auditoria; a inclusão de urnas modelo de 2020 no Teste Público de Segurança; a adoção de procedimentos normativos para a hipótese de verificação de irregularidade em teste de integridade; e medidas para evitar a duplicidade entre abstenção e voto.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

JOTA Atualizado em 14.maio.2022 às 06h53
ANÁLISE: Bolsonaro tenta se blindar de desgaste político causado por aumento no diesel

Presidente resolveu lançar mão de um pacote de medidas políticas para fazer frente à alta dos combustíveis

Redação IF Publicado em 13.maio.2022 às 07h25
Meta anuncia força-tarefa para combater desinformação e disparos em massa na eleição

Centro de Operações para Eleições vai operar durante os dois turnos do pleito

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 07h50
Parecer do Cade sobre Petrobras pode ajudar governo a cortar até 15% no preço de diesel e gasolina

Decisão do órgão de defesa da concorrência pode permitir alinhar preços da estatal aos custos de exportação de combustíveis em vez dos de importação

JOTA Publicado em 11.maio.2022 às 14h57
Bolsonaro merece continuar na Presidência? Mais da metade dos brasileiros diz que não

Proporção dos que responderam de forma negativa sobre segundo mandato foi de 62% em abril e caiu para 58% em maio

Redação IF Atualizado em 11.maio.2022 às 11h52
Pesquisa Genial/Quaest: Lula mantém liderança; Bolsonaro segue no mesmo patamar

Pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira (11) reitera a liderança de Lula e a polarização com Bolsonaro

JOTA Atualizado em 10.maio.2022 às 16h53
Análise: Mesmo sem golpe, a democracia brasileira refluiu

Levantar suspeitas de fraude nas eleições não é trivial e provoca piora na avaliação democrática geral