Câmara conclui votação de projeto que corta ICMS dos combustíveis e energia

A proposta é mais uma cartada do governo para tentar conter a inflação

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Após instabilidade no sistema de votação da Câmara dos Deputados, que levou o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), a anular a aprovação do projeto ocorrida na noite de terça-feira, a Câmara aprovou novamente nesta quarta o texto-base do projeto de lei complementar que corta o imposto estadual (o ICMS) sobre os combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.

O projeto reduz o ICMS dos combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo e zera os impostos federais (PIS/Cofins e Cide) sobre gasolina, etanol e gás natural veicular até 31 de dezembro. A proposta é mais uma cartada para tentar conter a inflação, identificada pelos governistas como o principal empecilho à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

A aprovação já tinha ocorrido na noite de terça, mas o sistema de votação apresentou problemas e Lira encerrou a sessão sem concluir a votação. Ao reabrir a sessão nesta quarta-feira, ele anulou a aprovação para evitar que fosse utilizada pelos Estados para judicializar a questão. Na nova votação, o texto-base foi aprovado por 307 votos a 1.

O projeto classifica combustíveis, energia, transporte coletivo e comunicações como serviços essenciais, sobre os quais não poderá incidir alíquota de ICMS maior que a padrão do Estado (entre 17% e 18%). Hoje, esses serviços são taxados em até 34%. O impacto para o consumidor final dependerá da alíquota aplicada em cada Estado hoje.

Os Estados alegam que perderão quase R$ 100 bilhões em receitas, parte destinadas para gastos com saúde e educação. Para diminuir as críticas, foi colocado “gatilho” para que sejam compensados caso a arrecadação com ICMS caia mais de 5% e que o governo federal tenha que repassar recursos para manter os atuais níveis de gastos com saúde e educação se isso ocorrer. Há emenda aguardando votação para elevar a base de cálculo desses 5%.

Além desse corte do ICMS, o projeto zera os impostos federais (PIS/Cofins e Cide) sobre gasolina, etanol e gás natural veicular até 31 de dezembro, sem necessidade de que o governo compense a renúncia de receita. A isenção já está valendo para o diesel e gás de cozinha, mas provocou pouco efeito nos preços finais.

Líder do PCdoB, o deputado Renildo Calheiros (PE) afirmou que a oposição apoiou o projeto, mas ele “será inócuo” em poucos dias porque o motivo da alta dos combustíveis é a política de preços da Petrobras, da qual o governo federal é o principal acionista. “Um novo aumento da gasolina e do diesel já está previsto nas planilhas do governo federal”, criticou.

O deputado Hildo Rocha (MDB-MA), da base do governo, concordou que se o petróleo continuar a aumentar fora do país, “sem dúvida nenhuma haverá aumento no Brasil”. “Essa política de preços da Petrobras, com base na paridade internacional do petróleo, é boa para a empresa e ruim para o Brasil”, disse. “Mas estamos fazendo algo para ajudar a população e diminuir o preço do combustível na bomba e da conta de luz”, afirmou.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio