Brasil fica de fora de reunião da cúpula do G7 pelo terceiro ano seguido

Alemanha, que exerce a presidência rotativa do grupo, convidou Índia, Indonésia, África do Sul e Senegal

Foto: Alan Santos/Presidência

A Alemanha convidou nesta segunda-feira Índia, Indonésia, África do Sul e Senegal para participar da cúpula do G7, que será realizada entre os dias 26 e 28 de junho. O Brasil ficará de fora do encontro pelo terceiro ano seguido.

O convite é uma tentativa do governo de Olaf Scholz, que exerce a presidência rotativa do grupo que reúne as economias mais industrializadas do mundo, de tentar convencer a Índia a pressionar o presidente russo, Vladimir Putin, a desistir da guerra na Ucrânia.

O anúncio dos convidados foi feito enquanto Scholz está em visita oficial a Nova Délhi. Ao lado do primeiro-ministro do país, Narendra Modi, ele afirmou que a Alemanha está pronta para continuar expandindo a cooperação em questões globais com a Índia.

Apesar da relutância de Modi em condenar a invasão da Ucrânia e de um recente aumento nas importações de combustíveis fósseis da Rússia pela Índia, Scholz decidiu convidar a Índia para o G7 em um esforço para tentar isolar Putin diplomaticamente.

“[A guerra] sublinha mais uma vez a importância de uma ordem mundial baseada em regras para todos nós”, disse Scholz a jornalistas após se reunir com Modi. “Concordamos que as fronteiras não devem ser movidas à força e que a inviolabilidade delas e a integridade e a soberania das nações não devem ser questionadas.”

Além do convite, Scholz e Modi anunciaram que a Alemanha se comprometeu a disponibilizar 10 bilhões de euros para ajudar a Índia a atingir suas metas de desenvolvimento sustentável e para promover a pesquisa entre os dois países.

O G7 é formado por Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, Japão e Canadá, além da União Europeia. É uma tradição do grupo convidar para suas cúpulas alguns países relevantes para o momento.

O Brasil ficou de fora das últimas três cúpulas do G7, organizadas por França (2019), EUA (2020) e Reino Unido (2021). No ano passado, os britânicos convidaram Austrália, Índia, África do Sul e Coreia do Sul para a cúpula.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h36
Muitos investidores de criptomoedas não sabem o que estão comprando, diz dirigente do BoE

Jon Cunliffe, do banco central britânico, intensificou o pedido para que as autoridades regulem os criptoativos

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h20
Dólar recua e toca R$ 4,94 com alívio externo

Clima favorável para ativos de risco domina o mercado internacional nesta terça

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração