Aumento da gasolina nas bombas é culpa da Petrobras? Presidente da companhia contesta

Joaquim Silva e Luna defendeu a política de preços da petrolífera em audiência pública no Senado

(Foto: Pixabay)

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, deu explicações à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado sobre a alta no preço dos combustíveis aos consumidores. Em audiência pública nesta terça-feira (23), Silva e Luna afirmou que “nem todo os reajustes que aparecem na bomba têm a ver” com a companhia e atribuiu os sucessivos aumentos da gasolina, do diesel e do gás de cozinha nos últimos meses a uma série de fatores.

“A pandemia e o combate a ela nos colocaram em uma posição diferenciada. Tivemos como consequência um choque de demanda elevado, com uma oferta inferior à demanda. Como consequência, uma escalada muito grande do preço das commodities. (Além disso), uma crise hídrica e a desvalorização do real em relação ao dólar”, disse.

Silva e Luna citou dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), de que foram 11 aumentos realizados pela empresa nas refinarias e 34 feitos na bomba ao longo de 2021. “Petrobras não é a única operadora do mercado”, disse. “Petrobras responde por apenas uma fração do preço dos combustíveis”, acrescentou.

Aos senadores, Silva e Luna destacou ainda que parte dos dividendos da petrolífera é recurso destinado para projetos de desenvolvimento e para políticas públicas. “Hoje, eu sou um executivo de uma estatal que está entregando ao Estado brasileiro R$ 230 bilhões”, apontou.

Vale registrar que, ao contrário da fala de Silva e Luna, a Petrobras é uma companhia de economia mista, de capital aberto, controlada pelo Governo Federal. Por isso há uma preocupação no mercado financeiro com a possibilidade de interferências políticas nas decisões da empresa.

Com informações do Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Valor Econômico Atualizado em 16.maio.2022 às 20h10
Magazine Luiza reverte lucro e tem prejuízo de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Rede afirma que o resultado reflete o aumento de despesas financeiras no período

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 12h23
Sondagem da XP vê inflação no fim de 2022 maior do que projeção do último Focus

Divulgação do relatório do Banco Central está paralisada por causa da greve dos servidores

Manhã Inteligente Publicado em 16.maio.2022 às 10h50
Greve no Banco Central, dados econômicos de Brasil e EUA, novo índice agro na B3

Isabela Carvalho e Victor Vietti comentam esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos