Petróleo opera em alta, recebendo impulso da desvalorização do dólar no exterior

Petróleo tipo Brent, que é referência para os preços da Petrobras, avança mais de 2% e supera US$ 113 por barril

(Foto: Unsplash)

Os contratos futuros do petróleo operam em alta nesta sexta-feira (6), recebendo suporte da desvalorização do dólar, enquanto os investidores seguem atentos aos impactos dos embargos anunciados pela União Europeia (UE) contra as importações de petróleo da Rússia.

O contrato do petróleo Brent para julho – a referência global – operava há pouco em alta de 2,24%, a US$ 113,38 por barril, enquanto o do WTI americano para junho sobe 2,23%, a US$ 110,67 por barril. O índice dólar DXY, que normalmente tem correlação negativa com os preços da commodity, recua 0,42%, a 103,315 pontos.

O dólar recebeu um forte impulso nas últimas semanas das perspectivas mais fortes de que o Federal Reserve (Fed) acelerará o processo de aperto monetário. O BC americano elevou a meta da sua taxa de juros de referência em 0,5 ponto percentual na quarta-feira, como era amplamente esperado, mas o presidente da autoridade monetária americana, Jerome Powell, disse que o Fed não está “ativamente” considerando uma elevação de 0,75 ponto na próxima reunião.

O comentário fez com que o índice dólar perdesse 0,86% na quarta-feira, depois de ter alcançado nova máxima desde 2002 na segunda-feira. Ontem, porém, o índice fechou em alta acentuada de 1,0%, com os investidores reavaliando as perspectivas para a política monetária americana.

Os investidores seguem à espera também de mais detalhes sobre os embargos que foram anunciados na quarta-feira. A Fitch diz em nota que o impacto das sanções vai depender dos esforços contra o transporte da commodity e seguros para as companhias russas do setor, e de quão fácil será para a Rússia redirecionar os fluxos para outros compradores.

“A UE e seus aliados, incluindo os EUA, Coreia do Sul e Japão, respondem por cerca de dois terços das atuais importações de petróleo e combustíveis da Rússia, e os compradores nestes mercados serão difíceis de substituir”, diz a Fitch.

Os investidores seguem agora à espera do relatório do Payroll, do mercado de trabalho americano, que será divulgado às 9h30 (horário de Brasília) e pode dar pistas sobre a trajetória futura dos juros do Fed. A expectativa dos economistas consultados pelo “The Wall Street Journal” é de que os EUA tenham criado 400 mil vagas de trabalho em abril, de 431 mil no mês anterior.

“Um número acima dos 500 mil pode provocar um aperto mais rápido pelo Fed e […] uma reação de compra de dólares” disse Jeffrey Halley, analista sênior de mercados da Oanda, em nota. “Da mesma maneira, um número abaixo dos 300 mil deve ver um alívio em relação ao aperto monetário do Fed”, disse.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h36
Muitos investidores de criptomoedas não sabem o que estão comprando, diz dirigente do BoE

Jon Cunliffe, do banco central britânico, intensificou o pedido para que as autoridades regulem os criptoativos

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h20
Dólar recua e toca R$ 4,94 com alívio externo

Clima favorável para ativos de risco domina o mercado internacional nesta terça

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração