Petrobras aumenta gasolina em 5,2% e diesel em 14,25%

Reajustes entram em vigor no sábado (18)

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A Petrobras anunciou na manhã desta sexta-feira (17) um aumento de 5,2% no preço da gasolina vendida às refinarias, que passou de R$ 3,86 para R$ 4,06 o litro. Para o óleo diesel, o aumento é de 14,25%, de R$ 4,91 a R$ 5,61 por litro.

Considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos de combustíveis, a parcela da Petrobras no preço final ao consumidor passará de R$ 2,81, em média, para R$ 2,96 a cada litro vendido na bomba, uma alta de R$ 0,15 por litro. Para o diesel, a mistura obrigatória é de 90% de diesel A e 10% de biodiesel, então a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 4,42, em média, para R$ 5,05 a cada litro, o que significa um aumento de R$ 0,63 por litro.

Os reajustes entram em vigor no sábado (18). A última elevação da gasolina havia sido em 11 de março, e a do diesel, em 10 de maio.

Sob forte pressão do governo Jair Bolsonaro, que teme os efeitos do aumento dos combustíveis sobre a inflação, o que ameaça seu plano de reeleição, a Petrobras iniciou o documento em que avisa sobre a elevação quase pedindo desculpas.

“Primeiramente, é importante reforçar que a Petrobras é sensível ao momento em que o Brasil e o mundo estão enfrentando e compreende os reflexos que os preços dos combustíveis têm na vida dos cidadãos”, diz a empresa em comunicado à imprensa. “Nesse sentido, a companhia tem buscado o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse imediato para os preços internos da volatilidade das cotações internacionais e da taxa de câmbio. Esse posicionamento permitiu à Petrobras manter preços de GLP estáveis por até 152 dias; de diesel por até 84 dias; e de gasolina por até 99 dias.”

No entanto, a empresa tem regras para o reajuste de preços que exigem que acompanhe as variações do preço internacional do petróleo, para mais e para menos.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais