Temor de recessão da economia americana derruba preços do petróleo

Barril fechou a sessão desta quarta com queda acima de 2%

Foto: Pexels

Os contratos futuros do petróleo terminaram a sessão em queda consistente, após o Federal Reserve (Fed, o BC americano) elevar as taxas de juros em 0,75 ponto percentual para o intervalo de 1,50% – 1,75%. O aumento das taxas faz o investidor ficar mais receoso com a possibilidade de uma recessão na maior economia do planeta, o que reduziria a demanda pela commodity.

No fim da sessão, os preços dos contratos para agosto do Brent, a referência global, terminaram em queda de 2,19%, a US$ 118,51 o barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços dos contratos para julho do WTI, a referência americana, caíram 3,04%, a US$ 115,31 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Após a decisão do Fed por um aperto monetário mais agressivo, numa alta de 0,75 ponto percentual, os preços dos barris aceleraram suas perdas, diante do temor de que a economia americana entre em recessão. Além disso, os preços do petróleo foram pressionados também por dados econômicos fracos nos EUA. O dado de vendas no varejo, em especial, indicou contração de 0,3% em maio, contrariando a expectativa, de alta de 0,1% no período. Os dados de preços de importados e de atividade industrial do Fed de Nova York também ficaram abaixo do esperado.

Os dados fracos alimentam os temores de que um aperto monetário mais acelerado do Fed coloquem a maior economia do mundo em recessão, pressionando os preços o petróleo em meio aos receios de que isso prejudique a demanda pela commodity.

Mais cedo, a Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou projeções revisadas para o mercado de petróleo, prevendo que a demanda global deve voltar aos níveis pré-covid em 2023. Por outro lado, o relatório revisou para baixo a demanda para o segundo semestre de 2022.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo