Saiba tudo sobre o DEFI11, novo ETF de criptomoedas, que chega à B3 em fevereiro

Período de reservas para o novo ETF começa nesta terça-feira (18); cota será negociada inicialmente por cerca de R$ 50 e taxa de administração total de 1,3%

Ilustração de criptoativos. (Foto/Arte: Pixabay)

Pontos-chave

  • O índice deve contar com 12 ativos que vão estar divididos em três categorias
  • Desenvolvido em parceria com a provedora de índices CF Benchmarks, o DEFI11 replica o desempenho do "CF DeFi Modified Composite Index", que busca representar o mercado de finanças descentralizadas

Começa nesta terça-feira (18) o período de reserva do novo ETF que aterrissa na bolsa brasileira. O DEFI11, da gestora carioca Hashdex, pretende garantir exposição ao ecossistema de finanças descentralizadas, ou DeFi em inglês, como o próprio nome do fundo sugere.

Inicialmente, o índice deve contar com 12 ativos que vão estar divididos em três categorias.  O ecossistema DeFi busca replicar os serviços financeiros existentes de uma forma mais aberta e transparente. Em particular, o DeFi não depende de intermediários e instituições centralizadas.

Em vez disso, é baseado em protocolos abertos e aplicativos descentralizados (DApps). Segundo a Hashdex, os acordos são feitos por código e as transações são executadas de maneira segura e verificável. As mudanças de estado persistem em um blockchain público.

O pouso do novo ETF na B3 está previsto para fevereiro. O período de reservas, cuja cota será negociada inicialmente por cerca de R$ 50, começa nesta terça-feira (18). A Hashdex possui outros três ETFs de criptoativos listados na B3, além do DEFI11, que é o primeiro do gênero.

A gestora carioca faz a gestão do HASH11, ETF que segue um índice de criptomoedas criado pela própria Hasdex e pela Nasdaq, além do BITH11 e o ETHE11, que investem em bitcoin e ether, respectivamente. Eles têm a companhia de outros dois ETFs cripto na bolsa brasileira, o QBTC11 e QETH11, da gestora QR Asset Management.

Categorias do DEFI11

Desenvolvido em parceria com a provador de índices CF Benchmarks, o DEFI11 replica o desempenho do “CF DeFi Modified Composite Index”, que busca representar o mercado de finanças descentralizadas. O índice deve contar com 12 ativos, divididos em três categorias:

  • Protocolos DeFi: oferecem soluções práticas e modernas para serviços financeiros: Unisawap, AAVE, Compound, Maker, Yearn, Curve, Synthetix e AMP;
  • Protocolos de Suporte: auxiliam protocolos DeFi com serviços de armazenamento e consulta de dados, verificação de identidade e soluções de escalabilidade, os tokens Polygon, Chainling e The Graph;
  • Plataformas de Registro: o blockchain nas quais as transações são validadas e registradas, o ativo da carteira será o Ethereum.

A XP, o Itaú BBA e o Banco Genial serão os coordenadores da oferta do novo ETF, que terá taxa de administração total de 1,3%.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 19h54
Principais índices dos EUA estendem a série de semanas de ações no vermelho; o que esperar?

Todos os três índices terminaram a semana em queda de pelo menos 2,9%

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 17h52
Ibovespa sobe 1,39% com alta das commodities; na semana, avanço é de 1,46%

Investidores estão otimistas com a retomada dos estímulos econômicos pela China

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 15h02
Vale a pena usar o FGTS para investir na Eletrobras? Conheça a resposta aqui

Aplicação no FGTS-Vale rendeu 2.233% desde 2002. Rendimento do Fundo foi bem menor, de 136% no período

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 14h27
Ação do Nubank cai quase 9%, mesmo após BTG ter elevado recomendação para ‘neutra’

Nubank agora tem um valor de mercado de US$ 19,9 bilhões, abaixo de Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil

Manhã Inteligente Publicado em 20.maio.2022 às 10h40
ETFs de renda fixa, privatização da Eletrobras, queda de lucro de empresas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA