Puxado por Petrobras, Ibovespa opera em alta, próximo dos 106 mil pontos

Dólar comercial recua 0,55%, para R$ 5,5644

Investidores observam painel no prédio da Bolsa de Valores em São Paulo
Pessoas observam painel eletrônico da da Bolsa de Valores, com gráfico do Ibovespa (Foto: Marco Ankosqui/Agência O Globo)

O Ibovespa firma seu terceiro pregão de alta consecutiva nesta quinta-feira. As ações da Petrobras seguem em alta nesta quinta-feira (25), puxando o Ibovespa, que sobe 1,46%, a 106.036 pontos por volta de 15h. O volume negociado até o início da tarde foi de R$ 7,1 bilhões, com projeção de giro de R$ 15 bilhões até o final da sessão. A sessão deverá ter liquidez reduzida, já que Wall Street para em razão do feriado de Ação de Graças.

Entre as empresas, destaque positivo para as ações do setor aéreo e turismo. CVC Brasil ON saltava 8,33%, Gol PN ganhava 7,57% e Azul PN subia 3,43%, na esteira de uma reabertura cada vez mais forte e após União Europeia recomendar que os países-membros aceitem turistas imunizados com a Coronavac. A Vale, por outro lado, cai 0,89%, a R$ 70,35. O preço do minério interrompeu uma sequência de quatro altas seguidas nesta quinta, ao cair 0,4% no porto de Qingdao, para US$ 102,35 por tonelada

Além das ações da petroleira, o salto do Ibovespa se dá pelo alívio momentâneo vindo de Brasília e por um ambiente comprador para ativos locais, mesmo após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgar nova alta do IPCA-15, considerado a prévia da inflação.

O índice avançou 1,17% em novembro, após elevação de 1,20% um mês antes. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), essa é a maior variação para um mês de novembro desde 2002, quando subiu 2,08%. A gasolina foi a principal influência para a alta do IPCA-15 em novembro. O preço do item subiu 6,62% e respondeu por 0,40 ponto percentual da taxa de 1,17%, quase um terço do índice.

O dólar comercial recua 0,55%, para R$ 5,5644. O dólar turismo cai 0,52% para R$ 5,7775.


Você também pode gostar

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 15h46

Ibovespa segue em alta, impulsionando ações de petrolíferas, mineradoras e siderúrgicas

Recuperação dos preços de minério de ferro, que subiram mais de 8% na China, impulsionam ações de mineradoras e siderúrgicas

Valor Econômico

Atualizado em 07.dez.2021 às 10h48

Ibovespa respira e já acumula alta de 6% em três pregões

Melhora do apetite por risco nos mercados globais favoreceu índice

Isabella Carvalho

Publicado em 06.dez.2021 às 12h53

Cinco perguntas e respostas sobre criptomoedas

Pensando em ganhar dinheiro rápido com as moedas digitais? Pois antes disso, você deve considerar riscos, custos e a alta volatilidade desses ativos

Redação IF

Atualizado em 06.dez.2021 às 20h43

Ibovespa sobe acompanhando exterior e PEC dos Precatórios – ganho é generalizado entre as blue chips

Mercado mostra alívio com estudos iniciais que não mostram maior gravidade da variante ômicron

Redação IF

Publicado em 03.dez.2021 às 18h37

Bolsa brasileira tem segundo pior desempenho do mundo no ano

No ranking com 79 índices de 78 países, o Ibovespa aparece na contramão mundial, com queda de mais de 14% no acumulado no ano até novembro; índice só ganha da Bolsa da Venezuela

Redação IF

Publicado em 03.dez.2021 às 18h10

Dólar fecha em alta de 0,42%, a R$ 5,68, de olho em dados dos EUA

Com a alta de hoje, o real acumulou valorização de 1,56% na semana. No mês, passa a ter ganho de 0,80%.

Valor Econômico

Atualizado em 03.dez.2021 às 07h41

Com loja parada, ação de grandes redes cai

Expectativas começam a ser reduzidas e investidor vem “precificando” um mês de dezembro difícil

Valor Econômico

Atualizado em 03.dez.2021 às 07h37

Banco Inter desiste de reorganização societária que o levaria à Nasdaq

Adesão de minoritários, que se tornou vantajosa diante da queda das ações nas últimas semanas, ultrapassou limite de desembolso estipulado pela instituição, de R$ 2 bilhões