Principais índices dos EUA estendem a série de semanas de ações no vermelho; o que esperar?

Todos os três índices terminaram a semana em queda de pelo menos 2,9%

Nas bolsas de Nova York, nos EUA, uma liquidação de ações ganhou nova intensidade nesta sexta-feira (20). As ações subiram na abertura, depois reverteram o curso, caindo durante a maior parte da sessão turbulenta. A certa altura, o S&P 500 caiu tanto que estava a caminho de fechar pelo menos 20% abaixo da mínima de janeiro – o que colocaria o índice na zona do ‘Bear Market’, quando os preços dos ativos caem a tal ponto que os investidores perdem a confiança na renda variável.  

Um retorno na última hora do dia de negociação empurrou o índice para cima, com o S&P 500 terminando em 0,57 ponto, ou menos de 0,1%, em 3.901; em sua baixa intradiária, caiu 2,3%.

Já o Dow Jones fechou em alta de 8,77 pontos, também inferior a 0,1%, para 31.261. O Nasdaq, índice das empresas de tecnologia e não financeiras, caiu 33,88 pontos, ou 0,3%, para 11.354.

Faz décadas desde que as ações caíram por um período tão prolongado. Os Dow Jones registrou sua oitava perda semanal consecutiva. É a maior sequência desde 1932, perto do auge da Grande Depressão.

O S&P 500 e o Nasdaq tiveram sua sétima perda semanal consecutiva. Corresponde a sequência mais longa desde 2001, após o estouro da bolha das ‘pontocom’. Todos os três índices terminaram a semana em queda de pelo menos 2,9%.

A força motriz por trás da queda nos preços dos ativos, dizem os investidores, é o crescente medo sobre a saúde dos EUA e da economia global. Os gestores de fundos passaram os primeiros meses do ano preocupados com o fato de os aumentos das taxas de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) afetarem muito as ações mais caras, justamente as que alimentaram a recuperação do mercado nos últimos anos.

Investidores fugiram de ações de empresas de tecnologia, retirando bilhões de dólares de fundos que monitoram o Nasdaq. Taxas de juros mais altas tendem a diminuir o fascínio das empresas que estão contando com grandes lucros nos próximos anos – é o caso das companhias de tecnologia.

Esta semana, a dor se espalhou muito além do setor de tecnologia, alarmando muitos investidores. Grandes varejistas relataram que seus lucros foram prejudicados por custos crescentes e interrupções na cadeia de suprimentos, levando a uma liquidação de suas ações. Como efeito, Target e Walmart registram o pior declínio no valor de seus papéis em um dia desde o ‘crash’ da Black Monday, de 1987.

À medida que os investidores avaliavam como as pressões inflacionárias e a desaceleração do crescimento poderiam afetar os lucros das empresas nos próximos meses, as ações de tudo, de bancos a fundos de investimento imobiliário e redes de supermercados, também caíram.

Até que o Fed convença os investidores de que pode apertar a política monetária e reduzir a inflação, sem desencadear uma brusca e duradoura desaceleração econômica, é improvável que os mercados se estabilizem, dizem os analistas. O trabalho do banco central dos EUA é ainda mais difícil por lidar com variáveis, fora de seu controle, que aumentaram as pressões inflacionárias. Para citar dois exemplos: a política de zero Covid da China e a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Ainda que a maioria das empresas do S&P 500 conseguiu produzir lucros neste trimestre que superaram as expectativas do mercado, é menos claro como as empresas se sairão nos próximos meses. A grande questão para as empresas nos EUA agora é, além dos próximos movimentos do Fed: qual é a extensão do impacto do salto no preço do petróleo e da guerra na Ucrânia?


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 16h27
Carteira recomendada Itaú: sai Banco do Brasil entra Bradesco

Banco faz parte das recomendações de duas carteiras: Top 5 e a de Dividendos

Redação IF Publicado em 23.jun.2022 às 15h19
Seca de IPOs brasileiros traz 1º semestre mais fraco desde 2016

Nenhuma empresa brasileira abriu capital neste ano até dia 20 de junho, contra 29 transações que levantaram US$ 6,9 bilhões no mesmo período no ano passado

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 19h23
‘Timing’ para estreia na Nasdaq foi excelente, diz CEO do Inter; ações fecham em forte queda em NY

O primeiro dia foi negativo para os ativos, fechando com uma forte baixa de 12,56%, a US$ 3,48