Bancos e Vale afetam Ibovespa; Bradesco cai 7% após balanço

Perto das 12h15, o principal índice da bolsa local subia 0,19%, aos 112.448 pontos

Mercados acumulam perdas com alta de juros (Foto: Pixabay)

O Ibovespa devolveu completamente as perdas observadas no início do pregão e passou a rondar a marca da estabilidade, impulsionado pela alta nas ações da Petrobras, que, por sua vez, passaram a acompanhar o movimento de alta nos preços do Brent, a referência global do petróleo.

Perto das 12h15, o principal índice da bolsa local subia 0,19%, aos 112.448 pontos. A referência oscila em uma faixa estreita nesta quarta-feira, em padrão que vem se repetindo ao longo da semana. Nas máximas do dia, marcou 112.733 pontos e, nas mínimas, marcou 111.710 pontos. O volume negociado dentro do índice, no mesmo horário, era de R$ 9,32 bilhões, com giro projetado para R$ 32,5 bilhões ao fim do dia.

Impulsionadas pela alta do petróleo, as ações ON e PN da Petrobras avançam 1,80% e 1,89% no pregão desta quarta-feira, próximas de seus maiores patamares intradiários. No setor de óleo e gás, PetroRio avança 3,06% e 3R Petroleum sobe 1,31%.

Outros destaques positivos da sessão são companhias varejistas e de tecnologia. Méliuz avança 5,71%, Natura sobe 5,31% e Alpargatas PN tem ganhos de 3,90%. Marfrig mantém sua tendência positiva e avança 2,01%, enquanto Minerva sobe 3,29% e JBS ganha 1,76%.

Os ganhos do Ibovespa só não são mais relevantes pela contribuição negativa do setor financeiro. Após o Bradesco ter reportado seu resultado corporativo do quarto trimestre, as ações ON e PN do banco despencam 7,31% e 7,66%, respectivamente.

“Vemos os resultados como ligeiramente negativos para as ações, considerando o lucro por ação 5,0% abaixo do esperado pelo consenso e de 3% abaixo das nossas estimativas”, afirmam os analistas do Credit Suisse, em relatório. A baixa também pressiona os pares do setor financeiro. Itaú PN cai 3,63%, Banco do Brasil recua 0,59% e as units do Santander perdem 2,59%.

Empresas ligadas às commodities metálicas também passavam por correção após pausa no rali dos preços do minério de ferro. Vale devolvia 1,24% e Gerdau PN caía 0,50% após a commodity recuar 2,01% no porto chinês de Qingdao, para US$ 146,49.

Com Valor Pro, serviço de informação em tempo real do Valor Econômico.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Manhã Inteligente Publicado em 01.jul.2022 às 11h11
Queda generalizada nas Bolsas de Valores do Brasil e EUA, PEC aprovada pelo Senado

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta sexta (1)

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 08h34
Cenário de recessão pode piorar mercado acionário nos EUA, alerta pesquisador

Noriel Roubini considera como 'perigosamente ingênua' a visão de analistas que a recessão será leve e de curta duração

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30