Powell reforça que Fed irá subir juros até inflação desacelerar nos EUA – qual é o impacto no seu bolso?

Presidente do banco central dos EUA falou nesta quarta ao Senado. Saiba como a alta dos juros lá pode afetar seus investimentos

Jerome Powell, o presidente do Fed, o banco central dos EUA (Foto: Fed/divulgação)

O presidente do Federal Reserve Jerome Powell disse que o banco central planeja continuar aumentando as taxas de juros até ver uma prova clara de que a inflação está desacelerando para a meta de 2% do banco central.

As autoridades do Fed aumentaram as taxas de juros em 0,75 ponto percentual na semana passada, o maior aumento desde 1994. Powell e vários colegas sinalizaram que outro aumento desse tipo poderia estar garantido em sua próxima reunião, de 26 a 27 de julho.

“Nos próximos meses, estaremos procurando evidências convincentes de que a inflação está caindo”, disse Powell em depoimento preparado para ser entregue na quarta-feira durante o primeiro dos dois dias de audiências no Congresso.

“Temos as ferramentas de que precisamos e a determinação necessária para restaurar a estabilidade de preços”, disse ele ao Comitê Bancário do Senado.

Suas observações ressaltam o desafio que o banco central enfrenta ao aumentar as taxas de juros no ritmo mais rápido desde a década de 1980 para desacelerar a economia e reduzir a inflação. A taxa de referência dos Fed Funds, atualmente na faixa entre 1,5% e 1,75%, é historicamente baixa, mas nos níveis que prevaleceram no início de 2020, antes da pandemia fazer com que as autoridades do banco central reduzissem a taxa para quase zero.

O BC manteve a taxa perto de zero até março passado.

As novas projeções das autoridades divulgadas na semana passada mostraram que todos os 18 membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) esperam aumentar a taxa de juros para pelo menos 3% este ano, com a maioria vendo-a subir para uma faixa entre 3,25% e 3,5% até dezembro. Isso excederia em um ponto percentual o nível mais alto alcançado após a crise financeira de 2008, em 2018.

“Antecipamos que os aumentos contínuos das taxas serão apropriados”, disse Powell. Ele disse que os custos dos empréstimos começaram a aumentar no outono passado em antecipação aos aumentos das taxas do Fed este ano, e as condições financeiras “agora se apertaram significativamente”.

A taxa dos Fed Funds, uma taxa overnight sobre empréstimos entre bancos, influencia os custos de empréstimos em toda a economia, incluindo taxas de hipotecas, cartões de crédito e empréstimos comerciais. A Mortgage Bankers Association informou nesta quarta-feira que a média de hipotecas fixas de 30 anos subiu para 5,98% na semana passada, de 5,65% na semana anterior, para o nível mais alto desde 2008. Esse foi o maior aumento de uma semana nas taxas de hipoteca desde 2009.

O depoimento de Powell não fez referência direta às difíceis compensações que o banco central poderia enfrentar no próximo ano, especialmente se suas medidas políticas enfraquecerem o mercado de trabalho, mas não reduzirem a inflação de maneira convincente. Em uma entrevista coletiva na semana passada, Powell disse que será cada vez mais difícil para o Fed evitar uma recessão se os preços de energia e commodities e os gargalos na cadeia de suprimentos não diminuírem logo. O banco central está tentando arquitetar o chamado ”pouso suave”, esfriando o crescimento da economia o suficiente para reduzir a inflação, mas sem causar uma desaceleração.

“Há uma chance muito maior agora de depender de fatores que não controlamos. Flutuações e picos nos preços das commodities podem acabar tirando essa opção de nossas mãos”, disse Powell em entrevista coletiva na última semana.

Na semana passada, o Departamento do Trabalho informou que o índice de preços ao consumidor subiu 8,6% em maio, impulsionado pelos preços mais altos da energia. O aumento dos preços dos combustíveis e as interrupções na cadeia de suprimentos da guerra da Rússia contra a Ucrânia elevaram os preços nos últimos meses.

Embora o Fed normalmente dê mais atenção núcleo da inflação, que exclui os preços voláteis de alimentos e energia, Powell disse que o banco central deve colocar mais foco por enquanto na inflação geral devido a preocupações de que consumidores e empresas estejam antecipando pressões de preços.

Autoridades do Fed acreditam que as expectativas de inflação futura podem ser auto-realizáveis. Se essas expectativas estiverem aumentando, o Fed pode ser obrigado a elevar as taxas para níveis que pressionam ainda mais os freios monetários.

O BC americano enfrentou críticas crescentes nas últimas semanas por não agir antes para retirar as medidas agressivas de estímulo econômico que implantou durante a maior parte do ano passado. Powell, que foi confirmado no mês passado em uma votação de 80 a 19 do Senado para um segundo mandato, pode enfrentar questionamentos severos dos legisladores nas audiências desta semana. “O Fed se encaixou em grande parte em um menu de medidas de política puramente reativas”, disse o senador Thom Tillis (R., N.C.) em sua declaração de abertura preparada para a audiência de quarta-feira.

O aumento da taxa de 0,75 ponto na semana passada marcou uma mudança abrupta em relação à orientação excepcionalmente precisa fornecida por muitos membros do Comitê Federal de Mercado Aberto, que havia indicado antes de sua reunião que aumentaria as taxas em meio ponto percentual menor, como fez em maio. Powell disse na semana passada que o comitê decidiu aprovar o aumento maior da taxa devido a preocupações com dados recentes sobre inflação e expectativas de inflação.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia