Petrobras descarta ‘praticar preços artificialmente baixos e desalinhados ao mercado’

Companhia diz que a legislação vigente a impede

Gasolina tem pressionado os índices inflacionários (Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)

A Petrobras afirmou, em release sobre o balanço do primeiro trimestre, que não pode praticar preços artificialmente baixos e desalinhados ao mercado, em cumprimento à legislação vigente. A companhia ressaltou ainda que não controla, mas apenas busca seguir os preços de mercado de petróleo e derivados.

Segundo a petroleira, ao não praticar preços baixos de forma artificial, permite que o mercado brasileiro “seja adequadamente abastecido por dezenas de fornecedores de combustíveis”.

Além disso, segundo a companhia, foram recolhidos pela estatal quase R$ 70 bilhões em impostos, royalties e participações governamentais para União, estados e municípios nos três primeiros meses do ano.

“A arrecadação deste trimestre representa crescimento de 30% em relação ao primeiro trimestre de 2014”, disse a Petrobras, em comunicado.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h48
Bolívia reduz envio de gás para o Brasil e custo pode subir

Produção boliviana tem sido direcionada para atender uma demanda maior da Argentina

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 12h16
Bolsonaro quer preços dos combustíveis congelados até a eleição, diz blog

Nos bastidores, presidente considera que novas altas tendem a comprometer sua reeleição

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 07h56
Citi: nova troca cria riscos na estratégia de longo prazo da Petrobras

Banco destaca em relatório uma 'significativa interferência externa' na empresa