Mercado indica apostas majoritárias em alta de 0,75 ponto percentual nos juros do Fed em julho

Dados inflacionários sustentam a percepção de que o aperto monetário será acelerado

Foto: Robb Miller/Unsplash

Os contratos futuros dos Fed Funds – usados pelos investidores para avaliar as apostas nos mercados financeiros sobre a política monetária americana – passaram a indicar uma probabilidade majoritária de que o Federal Reserve (Fed, o BC americano) eleve a sua taxa de juros de referência em 0,75 ponto na reunião de julho, após a divulgação de dados de inflação mais fortes do que o esperado na semana passada.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) indicou uma alta de 8,6% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado, surpreendendo os investidores, que esperavam uma leitura estável a 8,3%. O número, que representa o maior salto desde dezembro de 1981, vai de encontro às expectativas de parte dos analistas, que esperavam que o pico da inflação já havia ficado para trás.

Os dados reforçam a perspectiva de que o Fed será obrigado a acelerar as altas dos juros para conter a disparada dos preços. O BC americano havia dado sinalizações bem claras de que pretende elevar os juros em 0,5 ponto percentual nas duas próximas reuniões de política monetária, de junho e julho, deixando a especulação apenas para a decisão de setembro. O dado de inflação, no entanto, alimenta temores de uma aceleração mais próxima, já em julho.

A probabilidade implícita nos futuros dos Fed Funds indica que as apostas em pelo menos uma elevação de 0,75 ponto até julho subiu para 72,2% hoje, de 14,9% há uma semana, de acordo com dados do CME Group. Para a decisão de junho, que será anunciada na quarta-feira, a probabilidade de uma alta de 0,5 ponto segue sendo a majoritária, com 68,7% das apostas.

A surpresa nos dados de inflação também mexeu bastante nas perspectivas de longo prazo para o Fed, apagando totalmente as apostas em juros no intervalo entre 2,5% e 2,75% até a reunião de dezembro, recuando dos 20,4% da leitura de uma semana atrás e 39,2% do mês passado. Os dados do CME Group indicam uma probabilidade implícita de 77,5% de que os juros do Fed terminem o ano entre 3,25% e 3,50% ou acima deste nível.

Uma taxa de juros cerca de 0,5 ponto percentual acima da meta de inflação de 2% do Fed é, em geral, considerada uma aproximação da taxa neutra de juros – que não prejudica e nem impulsiona o crescimento econômico -, mas as turbulências em torno da reabertura econômica confundem estas avaliações.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década