Maior fundo de pensão dos EUA quer tirar Buffett da presidência do conselho da Berkshire Hathaway

O bilionário de 91 anos ocupa o cargo desde 1970

Foto: Reprodução

O Sistema de Aposentadoria dos Funcionários Públicos da Califórnia (Calpers) disse na terça-feira que votará a favor de uma proposta de acionistas da Berkshire Hathaway que substituiria Warren Buffett como presidente do conselho. O maior fundo de pensão dos Estados Unidos divulgou sua posição em um documento enviado à Securities and Exchange Commission (SEC, a comissão de valores mobiliários americana), antes da reunião anual de acionistas da Berkshire em 30 de abril em Omaha, Nebraska.

A Calpers disse que detém mais de US$ 450 bilhões em ativos totais, incluindo cerca de US$ 2,3 bilhões em ações Berkshire Classe A e Berkshire Classe B.

A proposta de acionistas ligados à organização National Legal and Policy Center pede um presidente do conselho independente e diz que os papéis são “muito diminuídos” quando uma única pessoa detém os títulos de CEO e chairman, enfraquecendo sua estrutura de governança.

Buffett, de 91 anos, tornou-se CEO da Berkshire em 1965 e ocupa o cargo de presidente do conselho desde 1970.

O conselho da Berkshire se opõe à medida dos acionistas e destacou que Buffett tem 32% de participação votante na empresa. “O conselho acredita que enquanto o Sr. Buffett for o CEO da Berkshire, ele deve continuar como presidente do conselho e como CEO da Berkshire”, disse a empresa. “No entanto, como foi afirmado em várias ocasiões pelo Sr. Buffett no passado, quando ele não for mais o CEO da Berkshire, um diretor não gerencial deve ser nomeado presidente do conselho”, acrescentou.

A Calpers também disse que apoiou quatro outras propostas de acionistas às quais o conselho da Berkshire se opõe, incluindo uma que exigiria que o conglomerado fornecesse aos acionistas uma avaliação anual sobre como gerencia riscos e oportunidades físicos e transicionais relacionados ao clima.

“Isto é especialmente verdadeiro para empresas em indústrias intensivas em carbono ou aquelas que têm o potencial de serem significativamente impactadas pelas mudanças climáticas, como empresas de serviços públicos e seguradoras – ambas incluídas no portfólio da empresa”, disse Calpers.

O fundo de pensão acrescentou que reterá votos de forma a não reeleger os membros do comitê de auditoria Susan Decker e Meryl Witmer, “por falharem em fornecer divulgação precisa e oportuna de riscos e oportunidades ambientais, como aqueles associados às mudanças climáticas”.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 06h32
Governo quer registrar venda da Eletrobras nas bolsas de NY e SP na próxima semana

Após aprovação do TCU, objetivo é tentar acelerar o processo e garantir a privatização da empresa até 15 de junho