Juros futuros desabam após IPCA; dólar oscila perto da estabilidade

Investidores acompanham o comportamento da inflação e o impacto no rumo da política monetária

Divulgação de dados econômicos devem impactar os mercados nesta sexta (Foto: Pixabay)

Na esteira de dados abaixo do esperado e uma composição mais favorável do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as taxas futuras abriram o pregão de sexta-feira registrando uma forte queda ao longo de toda a estrutura a termo da curva de juros, conforme agentes avaliavam os impactos do indicador na trajetória da política monetária conduzida pelo Banco Central (BC). Já o dólar comercial rondava a estabilidade logo após a abertura dos negócios.

Pouco depois de 9h50, a taxa do DI para janeiro de 2023 caía de 11,63% no ajuste anterior para 11,385%; a do DI para janeiro de 2024 recuava de 11,02% para 10,785%; a do contrato para janeiro de 2025 cedia de 10,69% para 10,465%; e a do DI para janeiro de 2027 diminuía de 10,60% para 10,44%.

Os juros futuros ou juros longos representam a estimativa do mercado para o valor dos juros futuramente. Como o próprio nome diz, a atuação deles ocorre em títulos que possuem vencimento a longo prazo. Eles tem a tendência de ser mais altos do que as taxas de juros atuais, como a taxa Selic e CDI, visto que a incerteza de quem investe em títulos futuros é muito maior.

E, seguindo a lógica do mercado, quanto maior o risco , maior a recompensa. Tomando como exemplo o contrato futuro de juros (DI) com vencimento em 2026. Essa taxa afetará os preços de todos os títulos pré-fixados e até nos preços que os investidores estão dispostos a aceitar nos ativos de renda variável com alvo no ano de 2026. De forma geral, essa taxa seria o prêmio que o mercado exige hoje, diante das expectativas e riscos em relação ao futuro. Isto é, quanto mais o futuro parece incerto, maior tende a ser o juro futuro.

Dólar oscila perto da estabilidade

Enquanto isso, a moeda americana tinha alta de 0,11%, para R$ 5,5790. Na comparação com outras divisas emergentes, o dólar dava sinais mistos, caindo 0,27% contra o rublo russo, operando estável ante o peso mexicano, mas subindo 0,22% diante do rand sul-africano e 1,01% frente a lira turca.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), o IPCA avançou 0,95% em novembro na comparação com outubro, abaixo das expectativas de analistas. A mediana de 37 projeções de consultorias e instituições financeiras compiladas pelo Valor Data apontava para uma desaceleração do IPCA para 1,1%. O maior impacto individual no índice veio da gasolina, com alta de 7,38% e influência de 0,46 ponto percentual na taxa. O instituto também informou que oito das nove classes de despesas registraram desaceleração em novembro.

No acumulado em 12 meses, a taxa subiu 10,74%, também abaixo da mediana da expectativa do mercado, de 10,9%.


Você também pode gostar
Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 07h47
Maior parte das ações na Bolsa acumula queda desde início de 2021

Das 100 ações do IBrX, 64 têm perda no período

Diogo Rodriguez Publicado em 16.maio.2022 às 17h04 Duração 1 min.
O que é investir? Basicamente, é emprestar dinheiro

A gente ouve falar muito em investimentos. Mas o que é investir? O que significa esse ato? Veja mais no Me Explica na IF

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h16
Estrangeiros já sacaram R$ 12,6 bilhões da Bolsa em maio

Movimento positivo no ano diminuiu para R$ 45,03 bilhões

Manhã Inteligente Publicado em 16.maio.2022 às 10h50
Greve no Banco Central, dados econômicos de Brasil e EUA, novo índice agro na B3

Isabela Carvalho e Victor Vietti comentam esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos