Faturamento de serviços caiu 0,6% em setembro; expectativa era de crescimento de 0,5%

IBGE informou, nesta sexta-feira, dados para o setor que reforçam pessimismo sobre rumos da economia

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Após decepções com a inflação e o comércio, o mercado financeiro brasileiro contava com os dados sobre o comportamento do setor de serviços em setembro, que seriam divulgados nesta sexta (12), para ajustar suas expectativas a respeito dos rumos da economia.

Existia uma tese, entre alguns economistas, de que, com a redução do poder de compra, o consumidor tem direcionado os seus gastos de bens para serviços. Essa teoria se provou furada quando, nesta manhã, o IBGE informou que o setor encolheu 0,6% em setembro ante agosto e cresceu 11,4% ante o mesmo mês de 2020. A expectativa era de altas de 0,5% e 13,5%, respectivamente.

Na quarta (10), IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), informou que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de outubro ficou em 1,25%, o maior valor para o mês desde outubro de 2002, e, na quinta (11), o divulgou uma queda de 1,3% nas vendas do varejo em setembro, mais do que os analistas previam. Os números sobre os serviços reforçam a Ao contrário, se ficar aquém das previsões, o dado pode a visão de que a economia não está mostrando fôlego para se recuperar da queda provocada pela pandemia da covid-19.

Por que importa?

O setor de serviços é o mais relevante componente do PIB (Produto Interno Bruto) nacional, gerando a maior parte dos empregos no Brasil. Agora, os especialistas estão refazendo as suas contas sobre como pode terminar a economia em 2021 e começar 2022.

Como afeta seus investimentos?

O indicador de serviços pior do que a esperado é um sinal de que a economia está desacelerando, o que pode levar a Bolsa de Valores e o real a cair, elevando os juros futuros. Alguns ativos de renda fixa podem se beneficiar do movimento.

No entanto, a leitura pode não ser tão fácil. Uma retração dos serviços, somada à do varejo, pode desencorajar o Banco Central a subir muito a sua taxa de juros em dezembro. Atualmente, a taxa básica Selic está em 7,25% ao ano, e os especialistas apostam em uma elevação de 1,5 ponto percentual no mês que vem, para 9,25%. Caso a economia se mostre muito fraca, a autoridade monetária pode não ser tão rígida, o que diminuiria as chances de uma recessão em 2022.

Foi justamente a leitura “é ruim, mas é bom” dos dados do varejo que ajudam o Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, a avançar 1,54% na quinta (11).

Fique por dentro

The Economist

Na edição desta semana, a “The Economist” traz um texto sobre o governo de Jair Bolsonaro. Segundo a revista inglesa, Bolsonaro faz mal “não só ao meio ambiente, aos direitos humanos e à democracia, mas também à economia brasileira”. O texto aborda a situação fiscal do Brasil, à luz da aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios na Câmara dos Deputados.

Desaceleração da Economia

Na quinta (11), durante o Macro Vision, evento sobre macroeconomia do Itaú Unibanco, o ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou como normal a desaceleração de economia brasileira dada a alta de juros. Guedes também disse que a inflação americana vai ter uma forte alta, levando os demais países a ajustar sua política monetária.

Mais ricos investiram mais

Os investimentos de pessoas físicas aumentaram 0,5% no terceiro trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior, de acordo com a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). Em relação a janeiro, há um crescimento de 6,8%. No total, são R$ 4,45 trilhões investidos.

O setor que mais investiu foi o varejo alta renda, que aplicou 9,4% a mais de julho a setembro, totalizando R$ 1,2 trilhão. Em seguida, o private banking —clientes com, pelo menos, R$ 3 milhões em aplicações— foi o que mais investiu, ampliando em 8,1% o patrimônio investido, totalizando R$ 1,7 trilhão. O varejo tradicional ampliou a carteira de investimentos em 3,2%, para R$ 1,5 trilhão.

Em relação a 2020, o ritmo diminuiu. De janeiro a setembro do ano passado, a alta foi de 7,9%.

Desoneração da folha de pagamento

O presidente Jair Bolsonaro irá prorrogar por dois anos a desoneração da folha de pagamentos. Segundo o governo, o objetivo é evitar um desemprego maior no país. Na quarta (10), o deputado Marcelo Freitas (PSL-MG) protocolou na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) parecer favorável a um projeto de lei que prorroga o benefício aos 17 setores que mais empregam. A isenção acabaria este ano, mas, segundo o projeto, pode ser estendida até o fim de 2026.

Para prestar atenção hoje

9h: IBGE divulga o crescimento do setor de serviços em setembro.

Antes das 10h: Brisanet, Cogna Educação, Infracommerce, Ser Educacional divulgam seus resultados do terceiro trimestre.

Depois das 18h: Biomm, Brisanet, Celesc, Cosan, CVC Brasil, Enjoei, Kora Saúde, Lupatech, MMX, Paranapanema, PDG Realty, Priner Serviços Industriais, Restoque, Saraiva, Terra Santa Agro publicam seus balanços trimestrais.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h27
Ibovespa resiste à abertura negativa em NY e sobe com Vale e siderúrgicas

Investidores acompanham, contudo, movimentação na cena externa e processo sobre privatização da Eletrobras

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente