Ibovespa sobe 3,66% e tem o melhor pregão desde maio de 2020 após aprovação da PEC dos Precatórios

A aprovação da Proposta de Emenda à Constituição dos Precatórios no Senado deu alívio ao mercado local

Mercados acumulam perdas com alta de juros (Foto: Pixabay)

Após renovar a mínima do ano ontem, o Ibovespa fechou a quinta-feira com forte alta de 3,66%, aos 104.466 pontos. Esse foi o melhor desempenho em um pregão desde maio de 2020. A aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios no Senado deu alívio ao mercado local.

Além da PEC, o desempenho positivo de empresas ligadas a commodities como Vale e Petrobras, além dos bancos deu ímpeto à Bolsa.

O dólar, por sua vez, teve baixa de 0,21%, negociado a R$ 5,6585.

As taxas de juros futuros registraram fortes baixas, com a aprovação da PEC. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caiu de 11,84% no ajuste anterior para 11,57% e a do DI para janeiro de 2024 cedia de 11,64% para 11,39%.

A do DI para janeiro de 2025 teve queda de 11,49% para 11,27% e a do DI para janeiro de 2027 caiu para 11,24% ante os 11,42% da leitura anterior.

PEC dos Precatórios continua no radar

No fim da tarde, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) afirmou que a PEC será fatiada e apenas uma parte será promulgada ainda neste ano. As alterações feitas pelo Senado deverão ser votadas apenas em 2022. A espinha dorsal do texto, que limita o pagamento de precatórios (dívidas decorrentes de decisões judiciais) e revista o teto de gastos, foi mantida.

A aprovação da PEC contribuiu para o bom humor local e trouxe o investidor estrangeiro de volta às compras.  Acho que o cenário externo pela manhã ajudou também, com apetite a risco no exterior, e bolsas dos EUA em alta.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 17h52
Ibovespa sobe 1,39% com alta das commodities; na semana, avanço é de 1,46%

Investidores estão otimistas com a retomada dos estímulos econômicos pela China

Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 17h58
Dólar tem queda de 0,89% com corte de juros na China e acumula baixa de 3,64% na semana

O real seguiu o movimento das moedas de países emergentes nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Atualizado em 11.maio.2022 às 17h45
Ibovespa tem dia de alta, impulsionado por petroleiras

Petrobras e Petro Rio foram as maiores altas do pregão