Ibovespa segue atrelado à volatilidade global nesta terça

Inflação, guerra na Ucrânia e lockdowns na China estão no radar dos investidores

B3, em São Paulo (Foto: Divulgação)

Com investidores globais dividindo suas atenções entre a guerra na Ucrânia, a recente fragilidade econômica da China e as pressões inflacionárias ao redor do globo, os índices acionários, assim como o Ibovespa, têm dificuldades para avançar no pregão desta terça-feira (19).

Às 14h20, o Ibovespa recuava 1%, aos 114.494 pontos, o S&P 500 subia 1,27% e o índice pan-europeu Stoxx 600 cedia 0,73%.

A Petrobras (PETR4) subia 2,57%, enquanto a Vale (VALE3) caía 2,93%.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse ontem à noite que a Rússia começou uma esperada nova ofensiva na fronteira da região de Donbas no leste do país, depois que suas forças intensificaram ataques ao longo da linha de frente. “Vamos lutar. Não desistiremos de nada ucraniano”, acrescentou Zelensky.

Já na China, novas regiões do país anunciaram lockdowns, buscando controlar o avanço do coronavírus, afetando a economia local. Nessa linha, o Banco do Povo da China (PBoC) define, às 22h15, sua taxa prime de empréstimos (LPR, iniciais em inglês). A LPR é a taxa de empréstimo fornecida pelos bancos comerciais aos seus clientes da mais alta qualidade e serve como referência para as taxas fornecidas para outros empréstimos. A taxa de um ano está em 3,7% ao ano e a de 5 anos, em 4,6%.

A sessão também tem agendas importantes nos Estados Unidos, conforme as taxas de juros seguem avançando e se aproximam do terreno positivo. O presidente do Federal Reserve (Fed) de Chicago, Charles Evans, profere discurso às 13h05 (de Brasília). Já às 17h30, o Instituto Americano de Petróleo (API) divulga os dados de estoques de petróleo bruto nos EUA na semana até 15 de abril. Na semana anterior, os estoques aumentaram em 7,757 milhões de barris.

No noticiário corporativo, a Vale divulga, após o fechamento do mercado, sua prévia operacional do primeiro trimestre do ano. Apesar de já ser considerado um dos períodos menos produtivos do ano para o setor, analistas afirmam que as fortes chuvas e a demanda intermitente na China podem ter tido impacto nos números da companhia.

Já a MRV&CO, também em prévia operacional, divulgou que vendeu R$ 1,74 bilhão no primeiro trimestre, resultado recorde e 7,6% superior aos três primeiros meses de 2021. Desse total, 24% veio da comercialização de empreendimento da AHS, subsidiária americana, que lançou um novo empreendimento, com valor geral de vendas (VGV) de R$ 684 milhões.

A operadora de shoppings centers Aliansce Sonae, por sua vez, anunciou nesta terça-feira que enviou nova proposta de combinação de negócios para a BR Malls, que deve avaliar a oferta ainda hoje. Segundo os proponentes, a terceira e nova investida “contém relação de troca mais favorável aos acionistas”.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 16h01
Dólar comercial renova mínima com fraqueza da moeda no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes