Ibovespa fecha semana em queda de 0,52%, pondo fim à sequência de duas semanas positivas na B3

Principal índice de ações brasileiro fecha a semana devolvendo a totalidade dos ganhos acumulados no período

Ações, Bolsa de Valores, Mercado, Investimentos, Pregão, Day Trade, Ibovespa, Quebra, Queda, Papéis
– Foto: Getty Images

O Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, terminou a sexta-feira (17) em queda de 1,04%, aos 107.200,56 pontos. Ontem, o índice foi negociado em baixa durante todo o pregão, atingindo os 106.518 pontos, em recuo de 1,66%, nas mínimas do dia. O volume negociado no Ibovespa foi de R$ 29,10 bilhões, acima da média anual diária de cerca de R$ 23,8 bilhões.

Com isso, o Ibovespa fecha a semana devolvendo a totalidade dos ganhos acumulados no período e encerra em queda de 0,52%, pondo fim à sequência de duas semanas positivas para as ações locais.

O desempenho reflete o momento global de aversão ao risco, depois de bancos centrais do mundo todo começarem a retirar os estímulos à economia dados durante a pandemia de covid-19.

Ao final do pregão de ontem, as maiores baixas foram da universidade Yduqs (-6,05%, a R$ 22,22), da locadora de automóveis Localiza (-5,17%, a R$ 56,64) e do banco Inter (-5,6%, a R$ 10,31). O dólar comercial teve valorização de 0,1%, vendido a R$ 5,683. O turismo avançou 0,17%, vendido a R$ 5,483.

Arte: Reprodução Valor Econômico

BCs Globais e ômicron no radar

Os investidores em todo o mundo estão preocupados com a rápida disseminação da variante ômicron do coronavírus, principalmente na Europa, e seus possíveis impactos na retomada da economia.

A retirada dos estímulos às economias pelos governos é outro motivo de cautela. Com compras de títulos no mercado financeiro, os bancos centrais vinham injetando dinheiro na economia para evitar que a atividade sofresse demais com a paralisação provocada pela pandemia. Parte desses recursos eram usados para investir no mercado financeiro de diversos países, inclusive do Brasil. Por isso, a menor disponibilidade de dinheiro tende a segurar um pouco a nossa Bolsa.

O Banco do Japão foi o último de uma série de bancos centrais a reduzir os estímulos. Na madrugada do Brasil, anunciou que em março de 2022 vai encerrar o programa emergencial de compras de ‘commercial papers’ (categoria de investimento de curto prazo, em que consiste a compra, por investidores, de títulos de empresas a fim de financiá-las) e títulos de dívida (bônus) corporativos.

Na quinta (16), o Banco Central Europeu anunciou o fim do seu programa, e na quarta (15), o Fed, banco central americano, também divulgou um calendário para a redução paulatina das compras de títulos.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA