Bolsa sobe, com exterior positivo após corte de juros na China

Nos EUA, trajetória negativa segue e S&P entra em 'bear market'

Imagem do interior da B3, Bolsa de Valores de SP
A B3, Bolsa de Valores de São Paulo (Foto: Cris Faga/Estadão Conteúdo/Reprodução Globo/G1)

A Bolsa sobe e o dólar opera com baixa ante o real nesta sexta-feira. Os ativos domésticos acompanham a melhora do ambiente no exterior para mercados com exposição a commodities diante do anúncio inesperado de corte de juros de empréstimos por parte da China.

Por volta de 15h, o Ibovespa subia 0,80%, aos 107.862 pontos.

No mesmo horário, a moeda americana tinha baixa de 0,95%, negociado a R$ 4,8704 após atingir a mínima de R$ 4,8529.

Corte nos juros

O Banco Central da China anunciou um corte nas taxas de empréstimo de cinco anos, que são referência para hipotecas residenciais, de 4,6% para 4,45% A medida visa dar apoio ao mercado imobiliário.

A taxa de empréstimos de um ano foi mantida.

Após os recentes lockdowns e a divulgação de números sobre a atividade negativos, aumentaram as preocupações dos agentes de mercado em relação ao crescimento chinês para o restante do ano.

O anúncio não deve tirar a incerteza do radar, mas pode reanimar as vendas de imóveis na China, sendo o setor imobiliário um importante componente do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Diante do anúncio, as bolsas asiáticas fecharam com altas. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 1,27%. Em Hong Kong, houve avanço de 2,96% e, na China, de 1,60%.

Na Europa, as bolsas fecharam com altas. A Bolsa de Londres subiu 1,19% e a de Frankfurt, 0,72%. Em Paris, ocorreu avanço de 0,20%.

Na Europa, as bolsas fecharam com altas. A Bolsa de Londres subiu 1,19% e a de Frankfurt, 0,72%. Em Paris, ocorreu avanço de 0,20%.

“Isso visa incentivar o mercado por lá. Temos a questão do lockdown, que ainda está acontecendo por lá, mas o mercado acredita que no começo de junho, isso possa terminar. E um aumento na tomada de crédito por uma queda da taxa de juros incentiva muito a economia. E uma recuperação por lá que anima o mercado em dia de agenda vazia, depois de semanas com revisões do PIB da China para baixo”, destaca o sócio da Criteria Investimentos, Vitor Mizara

Ele destaca que o movimento vai na contramão de outros bancos centrais, que, preocupados com o patamar alto e persistente da inflação, têm aumentado juros e anunciado medidas para enxugar a liquidez dos mercados.

Na cena interna, o destaque vai para o relatório de receitas e despesas do Tesouro.

Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse que há possibilidade de corte de até R$ 17 bilhões no orçamento dos ministérios para atender as despesas extras do governo, incluindo precatórios e plano safra. Bolsonaro não detalhou a conta.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 18h49
Ibovespa fecha semana em baixa de 1,15%; dólar alcança maior valor desde fevereiro e sobe 2,13% na semana

Moeda americana voltou a superar R$ 5,25 e tem 4ª semana consecutiva de alta frente ao real

Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

JOTA Publicado em 24.jun.2022 às 12h39
Projeto transforma créditos de ICMS em ativos virtuais para negociação

Proposta tenta incentivar as exportações no país; especialista afirma que projeto é importante, mas ainda imaturo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 11h46