Estrangeiros na B3: entrada de capital em janeiro é a segunda maior dos últimos 10 anos

O fluxo de capital externo no mês ficou positivo em R$ 32,49 bilhões

Bolsa B3 (Foto: Divulgação)

Pontos-chave

  • Fluxo de capital externo no mês de janeiro ficou positivo em R$ 32,49 bilhões
  • Valor aportado no primeiro mês do ano representa a segunda melhor marca mensal da categoria nos últimos 10 anos, em valores nominais

Os investidores estrangeiros aportaram R$ 1,88 bilhão em recursos no segmento secundário da B3 (ações já listadas) na segunda-feira, dia 31 de janeiro, dia em que o Ibovespa fechou em alta de 0,21%. Com isso, o fluxo de capital externo no mês ficou positivo em R$ 32,49 bilhões, assim como o acumulado anual.

Também no dia 31 de janeiro, o investidor pessoa física sacou R$ 566,9 milhões líquidos na B3, ampliando o déficit mensal e anual para R$ 6,73 bilhões. Já o investidor institucional retirou R$ 1,36 bilhão no mesmo dia, aprofundando seu saldo negativo para R$ 28,37 bilhões em 2022. As informações foram divulgadas pela B3.

Os R$ 32,49 bilhões aportados em janeiro representam a segunda melhor marca mensal da categoria nos últimos 10 anos, em valores nominais. Além disso, o grupo completou 4 meses consecutivos de saldos positivos.

O movimento recente é explicado por analistas como uma busca do investidor estrangeiro por ações de “valor” descontadas – como as de commodities -, enquanto há uma desvalorização dos papéis de “crescimento” nos Estados Unidos por conta da iminente mudança na política monetária do Federal Reserve.

Não existem, no entanto, perspectivas de quão longo pode ser o movimento, já que não houve mudanças estruturais nos ambientes macroeconômico e fiscal e o país terá um ano eleitoral pela frente.

Ao analisar os dados da categoria coletados pelo Valor Data desde janeiro de 2012 (valores não corrigidos), o montante só fica atrás de novembro de 2020, quando o superávit entre entradas e saídas foi de R$ 33,23 bilhões. À época, também foram quatro meses seguidos de aportes antes de ocorrer um período de saques.

Entre os períodos mais negativos, destaque para a janela entre dezembro de 2019 e os três primeiros meses de 2020, quando os investidores internacionais sacaram R$ 69,4 bilhões da bolsa nacional. À época, o novo coronavírus avançava e obrigava agentes globais a fugir do risco.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Manhã Inteligente Publicado em 01.jul.2022 às 11h11
Queda generalizada nas Bolsas de Valores do Brasil e EUA, PEC aprovada pelo Senado

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta sexta (1)

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década