Elétricas e outras beneficiadas por alta da inflação sobem na Bolsa

Muitas concessionárias de serviços públicos têm os reajustes das tarifas que cobram ligados à inflação

Trecho da Via Dutra, no Rio de Janeiro: sua administradora, a CCR, pode ser beneficiada pela alta da inflação (Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo)

As ações de concessionárias de serviços de energia elétrica e de outras empresas beneficiadas pelo aumento da inflação no país estão entre as maiores altas da Bolsa de Valores B3 na manhã desta quarta-feira (27). Muitas companhias desses setores têm o reajuste de suas tarifas ligado à variação dos índices de preços.

Às 11h24, a Cesp, que controla três usinas hidrelétricas no Estado de São Paulo, subia 1,36%, para R$ 24,55. A empresa divulgou hoje ter registrado lucro de R$ 395 milhões no terceiro trimestre do ano, recuperando-se de um prejuízo de R$ 58 milhões no mesmo período do ano passado. A CCR, que administra rodovias como a Rodovia Presidente Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, avançava 2,8%, para R$ 11,74. O Ibovespa, principal índice acionário da B3, tinha alta de 1,6%, aos 108.088 pontos.

Na terça (26), o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), anunciado pelo pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), superou as expectativas. O índice de outubro ficou em 1,2%, acima da previsão média do mercado financeiro de 0,97%. No acumulado de 12 meses, chega a 10,34%.

Diante dessa elevação, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) deve anunciar um aumento dos juros ao final de sua reunião hoje. Os analistas do mercado financeiro, que previam uma elevação de 1 ou 1,25 ponto percentual da Selic, passaram a apostar em 1,5 ponto percentual nesta semana. Há quem fale em um “choque” de até 3 pontos até o final do ano.

Um dos efeitos da elevação dos juros é atrair investidores externos para as aplicações brasileiras, o que pode fazer cair as cotações do dólar. A moeda americana tinha baixa de 0,5% na cotação comercial nesta manhã, vendida a R$ 5,546. O dólar turismo caía 0,23%, para R$ 5,71.

Com essa baixa, as ações de empresas exportadoras também caía na B3. Por exemplo, os papeis da produtora de papel e celulose Suzano perdiam 1,9%, para R$ 49,47.


Você também pode gostar

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 15h46

Ibovespa segue em alta, impulsionando ações de petrolíferas, mineradoras e siderúrgicas

Recuperação dos preços de minério de ferro, que subiram mais de 8% na China, impulsionam ações de mineradoras e siderúrgicas

Valor Econômico

Atualizado em 07.dez.2021 às 10h48

Ibovespa respira e já acumula alta de 6% em três pregões

Melhora do apetite por risco nos mercados globais favoreceu índice

Valor Econômico

Publicado em 07.dez.2021 às 08h09

Novo foco do Banco Central, expectativas para 2023 voltam a subir

Até a reunião de outubro, o BC vinha calibrando o ritmo de alta de juros para trazer a inflação para o centro da meta ainda em 2022

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 08h59

IF HOJE: IGP-DI recua 0,58% em novembro

O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) caiu 0,58% em novembro, ante elevação de 1,60% no mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta terça-feira

Redação IF

Atualizado em 06.dez.2021 às 20h43

Ibovespa sobe acompanhando exterior e PEC dos Precatórios – ganho é generalizado entre as blue chips

Mercado mostra alívio com estudos iniciais que não mostram maior gravidade da variante ômicron

Redação IF

Publicado em 03.dez.2021 às 18h37

Bolsa brasileira tem segundo pior desempenho do mundo no ano

No ranking com 79 índices de 78 países, o Ibovespa aparece na contramão mundial, com queda de mais de 14% no acumulado no ano até novembro; índice só ganha da Bolsa da Venezuela