Dólar fecha no maior patamar desde abril com cautela antes do Fed

Moeda se aproxima de R$ 5,70 em meio a expectativa de que o BC americano possa endurecer o discurso contra a inflação na maior economia do mundo

Dólar teve forte queda nesta terça (Foto: Pixabay)

O tradicional movimento de cautela antes das decisões de política monetária do Federal Reserve voltou a dar as cartas no pregão desta quarta-feira. Diante da expectativa de que o BC americano possa endurecer o discurso contra a inflação na maior economia do mundo, nem mesmo o tom mais duro do Copom, revelado pela divulgação da ata da reunião da da semana passada, conseguiu dar sustentação ao real, que voltou a fechar nos maiores patamares desde abril.

Depois de tocar R$ 5,6186 logo no início do pregão, a moeda americana acabou devolvendo o movimento ao longo da sessão e encerrou em alta de 0,40%, negociada a R$ 5,6937. Este é o maior patamar de fechamento desde 13 de abril, quando o dólar encerrou em R$ 5,7161.

Segundo analistas, o mercado já está se posicionando para os dados da China de hoje à noite, em que há expectativa de perda de fôlego da economia chinesa , e também em relação ao Fed, que pode anunciar uma aceleração do ritmo do ‘taper’”, disse Luciano Rostagno ao Valor Econômico. Rostagno é estrategista-chefe do banco japonês Mizuho no Brasil. “Após o indicador de preços ao produtor nos EUA mostrar uma alta maior que a esperada, os mercados lá fora começaram a piorar.”

Segundo o Departamento do Trabalho americano, o índice de preços ao produtor (PPI) avançou 0,8% em novembro na base mensal, bem acima da projeção de economistas consultados pelo Wall Street Journal.

Outro fator que dá ímpulso ao dólar é a expectativa de que outros BCs que anunciam suas decisões de juros esta semana, como o Banco Central Europeu (BCE) e do Banco da Inglaterra (BoE), possam divergir na sinalização, preferindo uma postura mais cautelosas diante de incertezas como a ressurgência da covid-19.

Com informações do Valor Econômico.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Atualizado em 11.maio.2022 às 17h45
Ibovespa tem dia de alta, impulsionado por petroleiras

Petrobras e Petro Rio foram as maiores altas do pregão

Redação IF Publicado em 09.maio.2022 às 07h48
Bolsas da Ásia fecham com fortes perdas, após dado fraco de exportações da China

Desaceleração da economia chinesa alimenta temores de inflação ainda mais pressionada no mundo