Dólar cai abaixo de R$ 4,80 com exterior e maior otimismo com PIB

Moeda americana cai pela terceira sessão consecutiva frente ao real

Foto: Pixabay

Na medida em que o mercado coloca nos preços os indicadores da economia americana abaixo das expectativas, o dólar perde força de forma generalizada e abre espaço para um novo dia de valorização expressiva do real. O sinal da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, de que os juros na zona do euro devem ser elevados na segunda metade do ano ajuda a derrubar o dólar, ao mesmo tempo em que os agentes se mostram atentos ao diferencial de crescimento, na medida em que o otimismo com a atividade econômica no Brasil tem aumentado.

O dólar comercial terminou a sessão negociado a R$ 4,8044 no mercado à vista, em queda de 1,41%.

Após a moeda americana ter subido aos níveis mais altos em 20 anos em relação a uma cesta de outras seis divisas principais, o processo de descompressão de prêmio de risco no câmbio se dá de forma acentuada.

“O excepcionalismo econômico dos Estados Unidos foi afetado nas últimas semanas”, observam os estrategistas de câmbio do Wells Fargo. Eles notam que indicadores econômicos ficaram abaixo das expectativas nos últimos dias, o que gerou uma queda acentuada no índice de surpresa econômica dos EUA em relação a outras economias do G-10.

Além disso, cabe apontar que as estimativas de crescimento econômico no Brasil têm sido elevadas nas últimas semanas, ao mesmo tempo em que há um viés de baixa nas projeções para a expansão da economia americana neste ano. Na primeira reunião privada entre economistas de mercado e diretores do Banco Central, feita para a elaboração do Relatório de Inflação (RI) de junho> houve um consenso quanto a um maior otimismo dos agentes com o crescimento do PIB neste ano. Entre os profissionais que revelaram seus cenários, boa parte mostrou projeções que apontam para uma expansão da economia entre 1,5% e 2% neste ano.

Hoje, os economistas da Itaú Asset Management revelaram, em sua revisão de cenário, uma expectativa de crescimento ainda mais robusta, ao projetarem alta de 1,6% no PIB deste ano, e não mais de 0,8%. Os economistas do Banco do Brasil, por sua vez, elevaram a projeção de crescimento deste ano de 1,3% para 1,5%.

Em relatório enviado a clientes, o estrategista Juan Prada, do Barclays, observa que, na semana passada, o real foi beneficiado pela melhora do sentimento em torno da China e pela ampla fraqueza do dólar. “Permanecemos construtivos, já que o ‘carry’ elevado e os riscos relativamente contidos no curto prazo sustentam a moeda e mantemos nossa recomendação comprada no real por meio de reversões de risco”, escreve o profissional.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 18h49
Ibovespa fecha semana em baixa de 1,15%; dólar alcança maior valor desde fevereiro e sobe 2,13% na semana

Moeda americana voltou a superar R$ 5,25 e tem 4ª semana consecutiva de alta frente ao real

Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

JOTA Publicado em 24.jun.2022 às 12h39
Projeto transforma créditos de ICMS em ativos virtuais para negociação

Proposta tenta incentivar as exportações no país; especialista afirma que projeto é importante, mas ainda imaturo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 11h46