Dólar fecha em alta e vai a R$ 5,15. Para onde vai a moeda norte-americana?

Moeda americana chegou a R$ 5,15 na máxima do dia

Foto: Pixabay

O dólar encerrou o dia em alta firme, após uma sessão marcada pela forte aversão a risco nos mercados. Próximo do fim da sessão, a moeda chegou a ampliar o movimento e renovar a máxima. No fim, fechou a R$ 5,1544, subindo 1,56%, no maior nível de fechamento desde 25 de fevereiro.

A perspectiva de uma política monetária mais restritiva do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), somado aos indícios de desaceleração econômica global, após novos dados da China abaixo do esperado, preocuparam agentes do mercado ao longo do dia.

Segundo a agência Reuters, com a inflação batendo recordes em todo o mundo, investidores temem que os bancos centrais das principais economias (sobretudo EUA) precisem subir mais rapidamente os juros. Com o BC norte-americano na dianteira desse movimento, o dólar poderia ganhar ainda mais força, enquanto taxas mais elevadas de empréstimos teriam potencial de afetar o crédito e prejudicar uma retomada econômica já ameaçada por repetidos surtos de Covid-19 na China, voraz consumidora de matérias-primas e destino primeiro das exportações brasileiras e de outros países emergentes.

Na máxima intradiária, o dólar chegou a R$ 5,1599. Por volta das 17h, o dólar futuro para junho avançava 1,45%, a R$ 5,1905. No exterior, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar contra uma cesta de seis moedas principais, avançava 0,04%, aos 103,70 pontos.

Ante emergentes, a moeda operava em alta de 0,88% contra o peso mexicano, 0,98% em relação ao peso chileno e 1,03% ante a lira turca.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 11h20
Dólar inverte sinal e passa a cair abaixo de R$ 4,80

Moeda americana era negociada a R$ 4,78 na mínima do dia

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 07h56
Citi: nova troca cria riscos na estratégia de longo prazo da Petrobras

Banco destaca em relatório uma 'significativa interferência externa' na empresa